PUBLICIDADE
Política
DURANTE VISITA AOS EUA

Congressistas dos Estados Unidos criticam Bolsonaro e ao tratamento dado por Trump a ele

Parlamentares querem que o governo americano peça a Bolsonaro mais respeito aos direitos humanos

17:47 | 23/03/2019
Bolsonaro e Trump durante coletiva de imprensa
Bolsonaro e Trump durante coletiva de imprensa(Foto: Jim WATSON / AFP)

Deputados dos Estados Unidos assinaram uma carta com críticas ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) e ao tratamento dado a ele por Donald Trump durante visita do brasileiro ao país. Os congressistas Mark Pocan, Pramila Jayapal, Ro Khanna, Ilhan Omar e Raúl M. Grijalva são os responsáveis pelo texto. Todos são do Partido Democrata, que defende ideais mais progressistas que os republicanos.

Bolsonaro foi aos EUA e encontrou com Trump na terça-feira, 19. Eles discutiram estreitamento de laços entre os dois países e políticas para facilitar vistos para americanos em território brasileiro.

Os políticos mencionaram as ideias de extrema direita nos discursos de Bolsonaro, de acordo com o jornal Estadão. Também questionaram a suposta ligação da família do presidente a milícias do Rio de Janeiro e aos suspeitos do assassinato da vereadora Marielle Franco. Eles lembraram ainda dos ataques a grupos de minorias sociais que se tornaram mais frequentes após a eleição presidencial. “Os Estados Unidos precisam se levantar pelos valores universais como tolerância e respeito pelos direitos humanos”, diz o documento.

Bolsonaro foi comparado também ao presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, que tem valores de extremistas de direita. O paralelo foi feito devido às políticas de “atirar para matar” recomendadas a policiais nos dois governos. Os cinco deputados defendem que, em vez de “estender tapete vermelho” para Bolsonaro, o governo deveria pedir que o presidente respeite os direitos humanos e os compromissos do Brasil.

Durante a campanha das eleições gerais de 2018, os parlamentares também escreveram uma carta criticando os discursos e promessas de campanha de Bolsonaro. No novo texto, os deputados afirmam que as ideias do brasileiro “não estão mais restritas à retórica”.

O Povo