PUBLICIDADE
Política
Ampliação de vagas

Deputado cearense propõe investir dinheiro de fundo da Lava Jato em educação infantil

Idilvan Alencar apresentou proposta à Câmara. Ele foi secretário estadual da Educação do Ceará

00:16 | 15/03/2019
Dinheiro será investido em creches (Foto: André Salgado/ O POVO - Em 15/3/2013)
Dinheiro será investido em creches (Foto: André Salgado/ O POVO - Em 15/3/2013)

O deputado federal cearense Idilvan Alencar (PDT) propôs a aplicação de R$ 2,5 bilhões, provenientes de acordo entre a Petrobras e a Lava Jato, para a criação de Fundo para Expansão da Educação Infantil (Feei). A sugestão foi apresentada nesta quinta-feira, 14, na Câmara dos Deputados.

O Projeto de Lei de número 1497/2019 ainda prevê que o dinheiro de multas e apreensões de bens oriundos de esquemas de corrupção, tráfico de drogas e lavagem de dinheiro sejam usados para manutenção do Feei. A ideia do parlamentar é usar os recursos para ampliar o número de vagas na educação infantil.

“Há uma proposta dos procuradores (da Lava Jato) de se usar no combate à corrupção. Eu trago a discussão para outra vertente. Vamos trazer esse dinheiro para investir em educação. Com educação se combate o crime de forma principal, com valores e formação de cidadania”, argumenta o deputado.

Segundo ele, o investimento pode ser fundamental para que o Brasil cumpra as metas estabelecidas pelo Plano Nacional de Educação. Além de tentar universalizar a educação infantil na pré-escola para crianças de 4 a 5 anos de idade, o Plano tem como objetivo ampliar a oferta de vagas em creches para atender, no mínimo, 50% das crianças de até 3 anos.

“E é uma queixa nacional. Muita mulher não trabalha porque não tem onde deixar o filho, principalmente as mais pobres”, lamentou. De acordo com o deputado, o projeto de lei é restritivo e determina que os recursos sejam usados somente para a compra de imóveis, reforma e adaptação predial, compra de terreno e construção de creches.

“Sou bem específico (no projeto de lei), não abro muito o leque, boto para compra de terreno, construção e expansão de creche. Se diluirmos, ninguém sabe para onde foi o dinheiro”, disse.

O Povo

TAGS