PUBLICIDADE
Notícias

Haddad ironiza suspensão das investigações do caso Queiroz: "O Jr. deu uma fraquejada"

O petista usou declaração antiga de Jair Bolsonaro para alfinetar decisão solicitada pelo próprio filho do presidente, o agora senador Flávio Bolsonaro

22:13 | 18/01/2019
NULL
NULL
[FOTO1]
Candidato derrotado nas últimas eleições para a Presidência da República, Fernando Haddad (PT) utilizou seu Twitter nesta quinta-feira, 17, para ironizar a suspensão das investigações do caso Queiroz. Pela manhã, o Ministério Público do Rio de Janeiro informou a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de parar as apurações sobre movimentações financeiras do ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro. Para o petista, Flávio deu uma “fraquejada”.
  
Haddad se referiu à declaração antiga de Bolsonaro de que, após ter quatro filhos homens, havia dado uma “fraquejada” que fez nascer uma menina. Na postagem, o petista escreveu: “O Jr. deu uma fraquejada: Flávio Bolsonaro pede, e STF suspende investigação sobre Queiroz.”
  
A ação suspensa é a que envolve o ex-assessor Fabrício Queiroz, o qual se tornou alvo de polêmica após publicação de relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). O documento apresenta movimentações financeiras consideradas suspeitas de Queiroz, entre elas um cheque de R$ 24 mil destinado à primeira-dama, Michelle Bolsonaro. O Coaf aponta para transferências de R$ 116.556, no período analisado.
  
Defesa de Flávio Bolsonaro solicitou a suspensão das investigações alegando que o parlamentar ganhará foro privilegiado perante o STF a partir de fevereiro, quando assumirá mandato como senador pelo Rio de Janeiro. O filho mais velho de Bolsonaro já chegou a declarar não ter controle sobre movimentações financeiras de seus encarregados. “Não tenho nada a ver com isso. Não tenho como controlar o que os assessores fazem fora do gabinete", afirmou.
  
Mesmo dizendo não ter qualquer envolvimento no caso Queiroz, Flávio Bolsonaro já faltou a depoimentos marcados pelo Ministério Público do Rio.
  
Redação O POVO Online 
TAGS