PUBLICIDADE
Notícias
PALÁCIO DA ABOLIÇÃO

Camilo se reúne com opositores Tasso, Girão e Wagner sobre a crise na segurança do Ceará

Verbas e efetivo de agentes para o Ceará devem ser ainda mais cobrados em Brasília

22:47 | 25/01/2019
Os políticos se reuniram no Palácio da Abolição, em Fortaleza
Os políticos se reuniram no Palácio da Abolição, em Fortaleza

Em aproximação inusitada, o governador Camilo Santana (PT), reuniu-se com os senadores Tasso Jereissati (PSDB) e Eduardo Girão (Pros) e deputado federal Capitão Wagner (Pros), na noite desta sexta-feira, 25, no Palácio da Abolição. O encontro, promovido por Camilo, aconteceria neste sábado, 26, e foi antecipado.

 

Os políticos conversaram sobre ações de combate à violência no Estado. "Os problemas enfrentados pelo Ceará na segurança pública preocupam a todos nós e é preciso encontrar uma solução para esta crise", compartilhou Tasso, no Facebook. No encontro, também estiveram presentes os secretários Élcio Batista (Gabinete do Governador) e Nelson Martins (Casa Civil).

"Viemos ouvir quais as medidas adotadas até agora e nos colocar à disposição para tentar viabilizar junto ao Governo Federal mais recursos e mais efetivo para debelar a crise. Há alguns pedidos ainda pendentes feitos por Camilo ao Governo Federal", dialoga Cap. Wagner, elogiando a iniciativa de convocar 1.200 policiais da reserva e outros 800 que aguardavam chamada após concurso.

 

Para Eduardo Girão, a gravidade da crise na segurança pede mais força e união no enfrentamento ao crime. "Não existe essa palavra oposição de senador para governador. A gente pensa politicamente diferente, mas se é para ajudar o povo cearense a gente tem que estar de mãos dadas", frisa.

Girão antecipou ainda que sequência de reuniões deve acontecer em Brasília, na semana que vem, para tentar mais verbas e efetivo.

"A gente tem que intensificar as ações de inteligência e aumentar o efetivo nas ruas. Há pedido também do Governo do Estado por agentes penitenciários e iremos cobrar essa liberação por parte do Ministério da Justiça", prometeu Wagner.