"Vamos resgatar o orgulho de ser brasileiro", declara Bolsonaro em solenidade nesta segundaNotícias de Política
PUBLICIDADE
Notícias


"Vamos resgatar o orgulho de ser brasileiro", declara Bolsonaro em solenidade nesta segunda

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) e seu vice, Hamilton Mourão, foram diplomados na tarde desta segunda, 10, em sessão solene no Plenário da Corte, em Brasília

18:19 | 10/12/2018
Jair Bolsonaro em sessão solene
Jair Bolsonaro em sessão solene

[FOTO1]

“Governarei em benefício de todos, sem distinção de origem social, raça, sexo, cor, idade ou religião. Com humildade, coragem, perseverança e tendo fé em Deus para iluminar as minhas decisões”, declarou Jair Bolsonaro (PSL) em sessão solene no Plenário da Corte, em Brasília. O presidente eleito e seu vice, Hamilton Mourão, foram diplomados na tarde desta segunda-feira, 10.

 

“Me dedicarei dia e noite, objetivo que nos une à construção de um Brasil próspero, justo, seguro e que ocupe o lugar que lhe cabe entre as grandes nações do mundo. Esse é o nosso norte e compromisso”, acrescentou Bolsonaro em seu discurso. O presidente eleito acredita que o Brasil pode ser uma das maiores democracias do mundo e tem como destino a prosperidade e paz.

 
“Com o apoio e engajamento de todos, vamos resgatar o orgulho de ser brasileiro. Vamos resgatar o orgulho pelas cores da nossa bandeira e força do nosso hino. O Brasil deve estar acima de tudo. Que Deus abençoe o nosso país e a todos nós brasileiros!”, declarou Jair Bolsonaro. A cerimônia foi conduzida pela presidente Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ministra Rosa Weber, responsável ainda pela assinatura e entrega do diploma.
 
Estiveram presentes na sessão o vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e ministro Luiz Fux, presidente da Câmara Federal dos Deputados e deputado Rodrigo Maia, presidente do Senado Federal e senador Eunício Oliveira, procuradora-geral da República e doutora Raquel Dodge, presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e doutor Claudio Lamachia, além de ministros do TSE e do ex-presidente da República e senador Fernando Collor de Melo.
TAGS