PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Como Bolsonaro e Haddad pretendem combater a corrupção

Temática não é central no plano de governo de Haddad e, apesar de ser bastante tratada no de Bolsonaro, não são citadas muitas propostas práticas para a resolução do problema

23:01 | 25/10/2018
Montagem de Haddad e Bolsonaro saindo das urnas (Foto: )
Montagem de Haddad e Bolsonaro saindo das urnas (Foto: )
[FOTO1]Tema de preocupação de grande parte dos brasileiros, o combate à corrupção não tem tantas propostas práticas nos planos de governo dos presidenciáveis Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT). Enquanto o tema é tratado em poucos momentos pelo segundo candidato, Jair Bolsonaro cita diversas vezes o tema, falando da importância do combate e culpabilizando o PT pelo problema, sem, porém, apresentar muitas medidas concretas para uma solução.
 
[SAIBAMAIS]A três dias da votação do segundo turno, que será no próximo domingo, 28, O POVO Online prepara uma série de matérias mostrando as propostas dos presidenciáveis que concorrem ao maior cargo governamental do País. Para isso, foram consideradas as 81 páginas do plano de governo de Bolsonaro e as 61 de Haddad, além de entrevistas ou declarações durante a campanha.
 
Confira as propostas para o combate da corrupção
Bolsonaro
- Resgatar “As Dez Medidas Contra a Corrupção”, “propostas pelo Ministério Público Federal e apoiadas por milhões de brasileiros”, e encaminhá-las para aprovação no Congresso Nacional.
 
Haddad
- Fazer uma Reforma Política com Participação Popular. “Quanto mais forte for a participação do povo, a transparência nas relações dos partidos e instituições políticas e do Estado com a população, e o caráter público do financiamento do sistema político, menores serão a captura da política pelos capitais privados, a corrupção e os privilégios das elites políticas e
econômicas”.
- Aprimorar os mecanismos de gestão e as boas práticas regulatórias dos órgãos públicos.
- Combater permanentemente a impunidade de corruptores e corruptos e enfrentar uma cultura histórica de apropriação do público pelos interesses privados.
 
Redação O POVO Online 
TAGS