PUBLICIDADE
Notícias

Dirigentes petistas querem Dilma candidata ao Senado por Minas Gerais

A troca é defendida por petistas mineiros e gaúchos. No entanto, eles afirmam que, embora sua disposição tenha aumentado para disputar uma vaga, ela ainda resiste em mudar o domicílio eleitoral

17:30 | 24/09/2017
NULL
NULL

[FOTO1]

O estado de Minas Gerais poderá ter a ex-presidente Dilma Rousseff como uma das candidatas ao Senado. A ideia parte de dirigentes do Partido dos Trabalhadores (PT). Um fator considerado como positivo é a vitória da petista sobre Aécio Neves, ex-governador do Minas, nas eleições presidenciais de 2014. As informações são do O Globo.

Hoje, Dilma tem domicílio eleitoral no Rio Grande do Sul, estado onde encontraria adversidades, já que o senador Paulo Paim (PT) é titular de uma das vagas e é considerado um forte candidato à reeleição. Somado a isso, nas pesquisas em que teve o nome citado, Dilma não está bem colocada.

Já em Minas, recente pesquisa revela um cenário mais adequado à candidatura da ex-presidente. Um novo confronto com Aécio Neves poderia dar incentivo à militância do partido. Além disso, ela teria em Fernando Pimentel, atual governador, um amigo na chapa. Entre os principais aliados de Pimentel está o deputado estadual Rogério Correia, que chama atenção para o desejo da mudança entre os mineiros. Ele diz que seria uma honra tê-la como candidata.

Se realmente se lançar ao Senado por Minas Gerais, ela tem, conforme o calendário eleitoral, até o dia 7 de outubro deste ano para alterar seu domicílio.  A troca é defendida por petistas mineiros e gaúchos. No entanto, eles afirmam que, embora sua disposição tenha aumentado para disputar uma vaga, ela ainda resiste em mudar o domicílio eleitoral.

Diferente do que aconteceu com o então presidente Fernando Collor em 1992, Dilma permaneceu com a possibilidade de disputar cargos públicos porque o Senado optou por fatiar a votação do impeachment no ano passado.

Nascida em Minas Gerais, Dilma morou em Belo Horizonte até a juventude. Na capital, foi presa pela ditadura militar. Depois, foi para Porto Alegre. Lá, iniciou sua carreira na política, estando como secretária na prefeitura e no governo do estado. No entanto, ela nunca concorreu a um cargo eletivo no estado.

 

                                                                                     Redação O POVO Online
 

TAGS