PUBLICIDADE
Notícias

"Nenhum governo que ascende por meio do medo é um bom governo", diz Luizianne

A candidata foi a terceira entrevistada da série de sabatinas realizada pela Rádio O POVO CBN com os concorrentes à Prefeitura de Fortaleza

11:54 | 15/09/2016

Na terceira entrevista da série de sabatinas realizadas pela Rádio O POVO CBN com os candidatos à Prefeitura de Fortaleza, Luizianne terminou sua participação com um "apelo" onde faz aparente alusão aos seus principais adversários na disputa municipal, Roberto Cláudio (PDT) e Capitão Wagner (PR).

"Eu faço um apelo que essa Cidade não fique uma cidade que vá discutir entre a mentira e o medo, porque nenhum governo que ascende por meio do medo é um bom governo", afirmou. Assista à entrevista completa: [VIDEO1]

A ex-prefeita respondeu questionamentos sobre pontos polêmicos da sua gestão, como a recorrência de greves dos professores durante os seus oito anos de governo. Questionada se ela não acharia "falta de respeito" com a categoria alguns episódios em que houve excessos de violência por meio dos guardas municipai, ela disse que "não". 

"Ao contrário, os professores se sentiram tão à vontade para fazer greves sistemáticas, e eles conquistaram tanto que a única resposta que eu poderia lhe dar é que converse com qualquer professor da rede municipal que esteve na sala de aula para ver o que eles dizem. É, inclusive, uma das categorias (de quem) eu mais recebo apoio", afirmou. 

A antiga gestora enumero benefícios concedidos à categoria nos seus mandatos, e afirmou que "aquilo estava sem nenhuma razão, sem nenhuma racionalidade. É o tipo da coisa, se a Luizianne sair ninguém vai conseguir mais nada, vamos fazer agora". 

Hospital da Mulher

Luizianne também foi questionada sobre a demora da construção do Hospital da Mulher, uma das obras mais citadas por ela na sua atual campanha. "É um hospital excelência, de estrutura do primeiro mundo, então nós pensamos muito grande nesse projeto", disse.

Segundo ela, devido à crise pela qual o Estado estava passando no momento,ele foi construído "praticamente só com o dinheiro do município". A candidata aproveitou a resposta para alfinetar RC, afirmando que deixou em caixa R$ 45 milhões para manutenção do equipamento. "Nós deixamos o hospital com 100% da sua produtividade". 

Aumento da passagem de ônibus

Um dos pontos mais levantados por Luizianne é de que não houve aumento da passagem durante seus oito anos de governo, que manteve Fortaleza como a cidade com tarifa mais barata de ônibus do País. 

Os jornalistas, no entanto, lembraram de documento assinado por ela autorizando aumento da passagem no último mês da sua gestão, mas só começando a ser cobrada na gestão do atual prefeito. Ela argumentou que o aumento foi obrigatório, porque foi uma decisão juidicial. "Por uma decisão juidicial eu fui inquirida a assinar o aumento, mas eu não queria fazê-lo", disse.

Questionada, então, porque enquanto o então candidato Roberto Cláudio afirmava que haveria aumento da passagem por decisão juidicial, o adversário Elmano de Freitas (PT) dizia que era mentira, ela disse que tem "certeza de que o Elmano não queria enganar ninguém". 

Entrevistaram Luizianne o editor-execuivo do núcleo de Cotidiano Érico Firmo, a editora-adjunta do mesmo núcleo Lucinthia Gomes e o repórter do núcleo de Conjuntura Carlos Mazza. A apresentadora da Rádio O POVO CBN Maísa Vasconcelos mediou a sabatina.

Redação O POVO Online

 

 

TAGS