PUBLICIDADE
Notícias

Toinha Rocha diz que não vai aceitar coligação de Rede com Heitor Férrer

Por meio de nota, a única vereadora do partido na Capital afirmou que ela e seu grupo político não se associarão a "qualquer coligação feita sem que haja uma prévia e ampla discussão"

12:06 | 08/07/2016

Única representação da Rede na Câmara Municipal de Fortaleza, a vereadora Toinha Rocha afirmou que não aceitará aliança entre a legenda e o pré-candidato do PSB, Heitor Férrer. O apoio da sigla ao deputado estadual foi anunciado no início desta semana e aprovado pelo diretório estadual do partido, por unanimidade, na última quarta-feira, 5.

"Eu, Toinha Rocha, bem como o grupo político que me acompanha, não avalizamos a decisão que o Sr. Ricardo Alcântara diz ter sido tomada pelo Diretório Estadual, e que não nos associaremos a qualquer coligação feita sem que haja uma prévia e ampla discussão sobre um programa de governo para o município de Fortaleza", afirmou a parlamentar em nota. 

Quando o anúncio foi feito pelo porta-voz da Rede no Ceará, Dimas Oliveira, que deve integrar a chapa de Heitor com vice, a vereadora questionou o fato de ter ficado sabendo da aliança pela imprensa. Ela defende que a escolha deve ser feita em unidade com os militantes do partido. 

Membro do diretório estadual da Rede, Ricardo Alcântara, em entrevista ao O POVO nesta quinta, 7, afirmou que essa decisão é feita pelo diretório estadual e que, por isso, Toinha não foi consultada. 

Ela questionou decisão. "Quero enfatizar minha total estranheza ao modo de como foi feito o referido acordo entre REDE e PSB, tendo em vista que sou membro do Diretório Nacional da agremiação, além de única Vereadora do Partido na Capital", explica. A vereadora afirma que não foi informadada reunião do partido na última quarta.  

"Coligação é algo muito sério; e por essa razão o debate deveria ter sido o mais amplo possível com toda a militância partidária, dando voz e espaço a todos os filiados de Fortaleza", protesta. "Fatos como esses não representam uma nova forma de fazer política, absolutamente".

Redação O POVO Online

TAGS