PUBLICIDADE
Notícias

STF julga nesta quinta afastamento de Cunha da Presidência da Câmara

Ação sustenta que Cunha não pode permanecer no comando da Câmara por estar na linha sucessória da presidência e ser réu em ação penal no STF

17:43 | 04/05/2016
NULL
NULL

O Supremo Tribunal Federal (STF) anunciou agora há pouco que vai julgar nesta quinta-feira, 5, o pedido da Rede Sustentabilidade de afastamento do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), do comando da Casa. A ação foi protocolada nesta terça-feira, 3, na Corte e está sob a relatoria do ministro Marco Aurélio.

A ação foi incluída na pauta da sessão desta quinta pelo presidente do STF, Ricardo Lewandowski. Nesta terça-feira, o magistrado se reuniu com deputados de seis partidos - PT, PDT, PCdoB, PPS, Rede e Psol - que cobram o afastamento de Cunha do comando da Câmara dos Deputados.

[SAIBAMAIS 3]A Rede sustenta que Cunha não pode permanecer na presidência da Câmara por ser réu em uma ação penal que tramita no STF sobre o suposto recebimento de U$S 5 milhões de propina em contratos de navios-sonda da Petrobras. Para o partido, Cunha está na linha sucessória da Presidência da República, cargo que não admite, de acordo com a Constituição, ser exercido por um réu.

Pedido da PGR

Outra ação que pede afastamento de Cunha do cargo, enviada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, aguarda julgamento pela Corte desde dezembro do ano passado. O relator do processo, Teori Zavascki, no entanto, tem dito que deve levar o caso ao pleno do STF "em breve".

Também nesta terça, Rodrigo Janot entrou com outras duas ações contra o peemedebista, a quem acusa de chefiar "célula criminosa" na empresa estatal mineira de Furnas. Eduardo Cunha nega qualquer irregularidade e tem dito ser vítima de "denúncias seletivas" e perseguição do PGR.

Redação O POVO Online
TAGS