PUBLICIDADE
Notícias

Gravação revela que 'saída do rapaz' adiou viagem de Lula a Brasília

14:10 | 21/03/2016
Em grampo da Operação Aletheia, o ex-presidente Lula combinou com o então ministro chefe da Casa Civil Jaques Wagner que não iria a Brasília "por conta da saída do rapaz". "Rapaz", na avaliação dos investigadores, era uma referência ao ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, hoje ministro chefe da Advocacia Geral da União (AGU).

Oficialmente, Cardozo pediu para sair da Justiça, o que ocorreu dias antes do estouro da Aletheia, missão integrada da Polícia Federal e da Procuradoria da República que pegou Lula - essa investigação mira o Instituto Lula e a LILS Palestras e Eventos, do ex-presidente, e atribui ao petista a propriedade do sítio Santa Bárbara, localizado no município de Atibaia, interior de São Paulo, o que é negado veementemente pela defesa.

O grampo é de 1.º de março, 8h19. O diálogo mostra que o ex-presidente estava de viagem marcada para Brasília. A cadeira de Cardozo na pasta da Justiça foi assumida pelo subprocurador geral da República Eugênio Aragão.

Lula era um crítico de Cardozo porque o ex-ministro não teria controle sobre a Polícia Federal.

Três dias depois da conversa com Wagner, o ex-presidente foi pego na Aletheia e conduzido coercitivamente para depor em uma sala no Aeroporto de Congonhas em São Paulo. Foram quase três horas de depoimento.

"� galego, deixa eu te dizer uma coisa. Eu tava pensando se não era o caso de eu não ir a Brasília hoje", disse Lula.

"Por conta da saída do rapaz", respondeu Jaques Wagner.

"Por conta da saída do rapaz, ou seja�"

"Isso ela (presidente Dilma Rousseff) se preocupou ontem.. depois vão dizer que ele (Lula) só veio aqui prá comemorar o bota fora."

"� isso, então eu acho que era melhor eu não ir, sabe?", disse Lula.

"Deixar prá semana", disse Wagner.

"Deixar prá semana porque você veja, o Globo já fez editorial, acho que era importante alguém responder sabe, editorial tentando cagar em cima do governo."

"Eu nem vi, dizendo o quê?", perguntou o então ministro da Casa Civil.

"Ah, mostrando que essa troca (no Ministério da Justiça) não pode significar.. é colocando medo no novo ministro da Justiça."

"Não, e dizendo que eu que arrumei um cara prá poder resolver, é isso?"

"Ã? isso."

"Você vê que eu sou foda, né?"

"Então, eu tava pensando em não ir hoje não, Wagner� você conversar com ela é melhor."

"Tá bom, ela teve a mesma preocupação que você, tanto que ficou é melhor sexta� é melhor quarta."

Lula muda de assunto:

"Eu tive uma bela reunião com a CUT ontem, com todo o bureau central da CUT... muita raiva, mas muita compreensão."

"Muita raiva, né?"

"�, mas muita compreensão também. Eu falei com eles, sabe? Eles querem conversar, sabe, o que acontece é que eles precisam ser tratados com um pouco mais de carinho caraio, eles são aliados é? Então deixa eu te contar, fala com ela que é melhor ficar prá outro dia. Pode ser essa semana ainda, pode ser a semana que vem. Como é que tá a agenda dela?"

"Fim de semana se ela topar tudo bem, também?", sugeriu Wagner.

"Tudo bem."

"Bom eu vou conversar com ela a gente volta a se falar."

"Tudo bem. Ela já tinha levantado essa preocupação ontem", reiterou o então ministro da Casa Civil.

"Ah perfeito, um abraço, tchau."

O Instituto Lula não comenta os grampos da Operação Aletheia.

TAGS