PUBLICIDADE
Notícias

Jovem leva soco no rosto de PM durante protesto na USP

15:45 | 29/05/2015
O protesto de alunos e funcionários da Universidade de São Paulo (USP) terminou em conflito com a Polícia Militar na manhã desta sexta-feira, 29. Os policiais atiraram bombas de efeito moral e balas de borracha contra os manifestantes. Uma jovem levou um soco no rosto de um PM e um aluno foi detido, informa o site do Estadão.

Um vídeo, gravado pelo Sintusp, mostra o momento em que a jovem leva o soco no rosto de um policial e cai no chão. Ela tentava ficar com a mochila de um estudante que estava sendo levado pelos PMs. Carlos Alberto dos Santos Camargo, 27, estudante de Ciências Sociais, foi detido pela polícia e encaminhado para o 34º Distrito Policial.

A manifestação teve início às 7h com o bloqueio do portão principal da USP e da passagem de carros no cruzamento da rua Alvarenga com a avenida Afrânio Peixoto. Os manifestantes seguiram então para a rodovia Raposo Tavares e, em seguida, para a avenida Vital Brasil, onde houve o confronto com os policiais. Um policial foi flagrado atirando em direção aos manifestantes de dentro de uma viatura

Em nota, o Sintusp denunciou a repressão policial e exigiu a imediata libertação do estudante. "O protesto ocorria pacificamente, de forma tranquila em parte do Dia Nacional de Paralisação e Manifestações contra a terceirização e os cortes do ajuste fiscal. Até que a polícia chegou e, de forma truculenta, agrediu os manifestantes, mulheres, trabalhadores", disse Magno de Carvalho, diretor do Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp).

Outro lado

A Polícia Militar informou em nota que está atuando em todo o Estado para que o impacto das manifestações seja o "menor possível na rotina do cidadão" e disse que, no caso do protesto da USP, foram utilizados os meios necessários para que o cruzamento não fosse fechado pelos manifestantes. No entanto, informou que a conduta dos policiais será apurada. Sobre o policial militar que foi flagrado atirando para fora do veículo, disse que foi afastado por ter utilizado um procedimento "totalmente irregular".

TAGS