PUBLICIDADE
Notícias

Deputados denunciados refutam envolvimento com esquema de propinas da Petrobras

08:20 | 19/12/2014
O ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa citou ainda 11 deputados que estariam envolvidos no esquema de propina na estatal.

A assessoria de imprensa da Presidência da Câmara afirmou que "não há qualquer hipótese de verdade" no envolvimento do presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), com irregularidades na Petrobras. O deputado Alexandre José dos Santos (PMDB-RJ) disse que foi Costa quem pediu ajuda a ele para se aproximar do ex-prefeito de Itaboraí, Sérgio Soares (PP). Segundo o deputado, o ex-diretor da Petrobras queria conversar com o ex-prefeito sobre o Comperj. "Por que eu receberia alguma coisa dele?", disse o deputado quando questionado se recebeu propina intermediada por Costa.

O deputado federal Luiz Fernando Faria (PP-MG) afirmou, via assessoria, que os contato com o ex-diretor "se deram exclusivamente por dever de ofício", quando era presidente da Comissão de Minas Energia em dois períodos, entre 2008 e 2011, e relator de um dos projetos do pré-sal.

Nelson Meurer (PP-PR) disse "não saber de nada" sobre sua menção e questionou o fato de a reportagem ter tido acesso à delação de Costa. "Se está em sigilo, como é que vocês têm acesso? O ministro (do STF) vai colocar isso a público e ai eu vou dar o meu pronunciamento." A assessoria de João Pizzolatti disse que o parlamentar desconhece o inquérito. O deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) negou as acusações. "Eu nunca recebi um centavo do Paulo Roberto Costa, nunca apresentei nenhuma empresa a ele e nunca levei nenhuma empresa para falar com o Paulo Roberto Costa. Não acredito que ele tenha dito porque se ele disse é mentira."

Vander Loubet (PT-MS) disse estar surpreso. "Nunca tive nenhum tipo de relação com ele."

Marcelo Leal, advogado de Pedro Corrêa (PP-PE), que cumpre prisão domiciliar por envolvimento no mensalão, não quis falar. A filha do ex-deputado, a parlamentar Aline Corrêa (PP-SP) disse não ter "nenhuma relação com o Sr. Paulo Roberto Costa e que as doações à sua campanha foram feitas de forma oficial".

Sobre a menção ao nome do ex-presidente do PSDB, Sérgio Guerra, o partido, por meio da assessoria, afirmou que defende a investigação de todos os envolvidos. Procurados, os senadores Delcídio Amaral (PT-MS), Benedito de Lira (PP-AL) e os deputados José Otávio Germano (PP-RS) e Simão Sessim (PP-RS) não quiseram se pronunciar. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

TAGS