PUBLICIDADE
Notícias

Elmano sobre fazenda de Eunício: "Não tenho culpa se ele é o dono"

O petista disse que foi convidado pela direção do MST para a ocupação. Ele classificou a acusação de estar a serviço de Ciro como "sem pé e nem cabeça".

16:39 | 13/11/2014

Elmano de Freitas, deputado estadual eleito e presidente do PT em Fortaleza, afirmou que não há nenhuma questão política envolvendo sua ida à ocupação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em Goiás, na fazenda Santa Mônica, de propriedade do senador Eunício Oliveira (PMDB). “Paciência. Eu não tenho culpa se ele é o dono”, declarou.

O deputado disse que tem relação com o movimento sem terra desde 1989 e que foi a Goiás convidado pela direção nacional do MST. “Lamento que ele (Eunício) não conheça a minha história com o movimento sem terra”, disse Elmano, afirmando que sua relação com a luta pela reforma agrária “não se limita a questão partidária”. Ele também afirmou que, diferentemente do que foi publicado pelo O POVO, o também deputado estadual eleito Moisés Bráz não esteve na ocupação.

Sobre a acusação de Eunício publicada no O POVO de hoje, de que Elmano estaria a serviço do secretário estadual de Saúde Ciro Gomes (Pros), o deputado a qualificou de “sem pé e nem cabeça”. De acordo com o petista, Euníco sabe “da minha situação de oposição e de estar em um lado oposto à família Ferreira Gomes”.

A fazenda do senador foi invadida por militantes do MST no dia 31 de agosto por cerca de três mil famílias. 72 horas depois, Eunício conseguiu a reintegração de posse, mas preferiu negociar a saída. “Ele diz que tem compromisso com o povo simples e pobre. Bom, tem três mil famílias simples e pobres na fazenda dele querendo um pedaço de terra para viver com dignidade”, ironizou Elmano.

 

Redação O POVO Online

TAGS