PUBLICIDADE
Notícias

Candidatos ao Governo destacam propostas e críticas em último debate

13:34 | 02/10/2014

O debate na Rede Jangadeiro reuniu os quatro candidatos ao governo do Estado na manhã desta quinta-feira, 2. No último debate antes do primeiro turno das eleições, Aílton Lopes (PSol), Camilo Santana (PT), Eliane Novais (PSB) e Eunício Oliveira (PMDB) responderam perguntas sobre saúde, educação, acessibilidade, agronegócio, dentre outros, e destacaram críticas e acusações sobre alianças políticas, patrimônio e gestão.

Primeiro Bloco
No primeiro bloco, os candidatos responderam perguntas de ouvintes por ordem de sorteio. Aílton Lopes falou sobre saúde pública e modelo econômico de gestão. Eliane Novais apresentou suas propostas para valorização do professor e do micro e pequeno negócio. Eunício Oliveira respondeu perguntas sobre segurança pública e mobilidade de pessoas com deficiência. Camilo Santana falou de incentivo ao pequeno agricultor e do foco das campanhas nas áreas de saúde, educação e segurança.
[SAIBAMAIS 4]
Segundo Bloco
No segundo bloco, os candidatos fizeram e responderam perguntas entre eles, seguindo ordem de sorteio. Camilo Santana (PT) começou questionando Eliane Novais (PSB) sobre as policlínicas, as consultas e os exames especializados do estado. A candidata afirmou que de nada adiantava a construção de mais hospitais se concursos públicos para a contratação de profissionais não eram realizados.

Ela propôs criar convênios para que hospitais filantrópicos que já existem possam fazer “o seu papel” e fortalecer o Samu em todos os municípios do Estado. Camilo, em contrapartida, prometeu criar, em parceira com o prefeito de Fortaleza Roberto Cláudio (Pros), seis policlínicas na Capital.

O combate às drogas também foi assunto discutido no debate. Diante da afirmação de Eunício de que iria fortalecer o trabalho das igrejas em combate a esse problema, Ailton Lopes afirmou que “o Estado é laico e não pode passar a sua responsabilidade. O Estado deve exercer o seu papel”. Eunício também prometeu ter “mão dura” com os traficantes, mas “carinhosa” com os dependentes. “Não se resolve as coisas com chavões”, rebateu Aílton.

Eliane acusou Eunício de não poder se dedicar exclusivamente ao governo por ter que administrar seu patrimônio particular, o maior entre os candidatos ao governo de todo o país. O candidato do PMDB garantiu que desde 1998 se dedica exclusivamente à vida pública.

Terceiro Bloco
O terceiro bloco do debate foi marcado pelo acirramento das acusações entre os candidatos.

Ailton Lopes criticou os três concorrentes por terem sido aliados ao governo Cid nos últimos anos e agora se colocarem como opositores. Eunício, em resposta, defendeu que a aliança que mantinha com o governo de Cid Gomes “não era eleitoreira, mas para trazer melhorias ao Ceará”. Já Camilo afirmou que sempre teve um lado definido, e Eliane falou sentir orgulho de fazer oposição ao governo atual do Estado.

Eliane Novais também acusou Camilo de querer sempre se beneficiar dos projetos feitos pelo atual governador, mas se eximir diante dos problemas do atual governo. Eunício, fazendo coro à afirmação da candidata, afirmou que tem hora que não sabe “se Camilo é o candidato a governador ou se ele já é o governador”. Diante do questionamento, Ailton ironizou: “Eunício, não fica com ciúme, não, você estava juntinho com o Camilo até pouco tempo”.

Quarto Bloco

A educação foi discutida no quarto bloco, mas as acusações não saíram de pauta, quando Eliane acusou a vice de Camilo, Izolda Cela, de ser responsável pelo problema de educação no Estado do Ceará. Eliane também prometeu dar autonomia às universidades públicas do Estado, além de garantir o piso e a progressão da carreira dos professores das escolas.

O problema das moradias também foi destacado, quando Ailton Lopes lembrou as remoções feitas pelo Governo por causa da Copa do Mundo e de outras obras em andamento. Camilo Santana prometeu avançar na oferta de moradia, mas assumiu não ser capaz de resolver o “problema histórico de moradia no Ceará” em apenas quatro ou oito anos.

[VIDEO1] 

Redação O POVO Online
com Letícia Alves, especial para O POVO Online

Laila Cavalcante

TAGS