PUBLICIDADE
Notícias

'Não é função da imprensa investigar', diz Dilma

07:50 | 20/09/2014
A presidente Dilma Rousseff criticou ontem em Brasília os novos vazamentos de trechos dos depoimentos à Justiça do ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa, delator de esquema suspeito de pagamento de propinas na estatal. Após ver a Procuradoria-Geral da República lhe negar acesso ao conteúdo das declarações de Costa, a presidente disse que vai pedir ao ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, o compartilhamento das informações.

"Quero ser informada se no governo tem alguém envolvido", disse Dilma, que reclamou do fato de detalhes dos depoimentos - inclusive nomes de envolvidos - terem "vazado" para os meios de comunicação.

Anteontem, o Jornal Nacional, da TV Globo, revelou que Costa teria admitido à Justiça o recebimento de R$ 1,5 milhão em propina na compra da refinaria de Pasadena, no Texas, nos Estados Unidos. Segundo o Tribunal de Contas da União (TCU), a operação resultou em um prejuízo de US$ 792,3 milhões para a Petrobrás.

Questionada sobre o tema, Dilma argumentou que só pode confiar em informações oficiais: "Disse pra quem? Se você me disser para quem ele disse, quem disse e como é que disse, eu te respondo. Caso contrário...", respondeu a presidente. "Eu não reconheço na imprensa o status que tem a Polícia Federal, o Ministério Público e o Supremo (Tribunal Federal). Não é função da imprensa fazer a investigação; a função é divulgar", afirmou Dilma.

Desde o dia 29 de agosto, Paulo Roberto Costa está prestando uma série de depoimentos em um acordo de delação premiada no qual tem revelado suspeitas de crimes de pagamento de propina a dezenas de políticos, inclusive do PMDB e do PT, os dois principais integrantes da base aliada.

O caso corre em segredo de Justiça, mas alguns nomes começaram a ser veiculados em reportagens como tendo sido citados pelo delator. Dentre eles, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão (PMDB); os presidentes da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL); os senadores do PP Ciro Nogueira (PI) e Francisco Dornelles (RJ); o líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha (RJ); os governadores do Ceará, Cid Gomes (PROS), e do Maranhão, Roseana Sarney (PMDB); e os ex-governadores Sérgio Cabral (PMDB), do Rio de Janeiro, e Eduardo Campos (PSB), de Pernambuco, que morreu em um acidente aéreo no mês passado; além do tesoureiro nacional do PT, João Vaccari Neto. Todos os supracitados negam as acusações e envolvimento com o ex-diretor da estatal.

"Quando sai uma denúncia na (revista) Veja, ou em qualquer outro jornal, eu não tomo nenhuma medida porque sou presidente da República. Não tomo medida baseada no �diz que disse�", afirmou Dilma. "Não é possível que a Veja saiba de uma coisa e o governo não saiba quem está envolvido", disse a presidente. De acordo com a petista, a veiculação de informações sigilosas compromete as provas das investigações. "Aí você investiga, o Ministério Público denuncia e não pode ser condenado porque a prova ficou comprometida", disse Dilma. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

TAGS