PUBLICIDADE
Notícias

Serra diz que é preciso resgatar a confiança no País

19:55 | 30/07/2014
O candidato do PSDB ao Senado Federal, José Serra, fez nesta quarta-feira, 30, em palestra no Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo, uma análise crítica da gestão do PT no País, incluindo os mandatos da atual presidente e candidata à reeleição, Dilma Rousseff, e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ao falar que o País carece de credibilidade, disse à plateia que é preciso resgatar a confiança no País elegendo a oposição ao PT. E pediu votos para o presidenciável de sua legenda, Aécio Neves.

"Estou animado para disputar o Senado Federal, mas é preciso mais nesta campanha. É importante renovarmos e reconquistarmos o crédito de confiança em nosso País. Por isso, precisamos eleger a oposição e o meu candidato à Presidência da República é o Aécio Neves", disse à plateia de engenheiros. Ao falar em renovação, lembrou que o governador Geraldo Alckmin, que disputa a reeleição no Estado administrado há cerca de 20 anos pelo PSDB, tem feito renovações nas propostas e na gestão. "O importante é a renovação das coisas", justificou.

O suplente ao Senado Federal de Serra, o ex-secretário de Energia de São Paulo José Aníbal, falou do episódio Santander, que divulgou um informe a clientes dizendo que a economia poderia se deteriorar caso a candidata do PT se mantivesse na liderança nas pesquisas de intenção de voto. Segundo Aníbal, o banco não disse nada de errado ou que não esteja todos os dias nos jornais do País. "Falta credibilidade, confiança, expectativa no País. O crescimento econômico é baixo e o ex-presidente Lula ainda desqualificou o analista (do Santander), mas ele falou a verdade."

Após a palestra, Serra respondeu a perguntas da plateia. Indagado sobre a criação de empregos, falou que "é um mito dizer que o emprego cresceu muito no governo Lula". Ele disse que, na gestão petista, o emprego cresceu nas categorias de até dois salários mínimos, "mas acima de dois salários mínimos caiu o número de empregados". "Isso é deterioração do mercado de trabalho", criticou o tucano.

TAGS