PUBLICIDADE
Notícias

Eunício Oliveira engrossa discurso de oposição após oficializar candidatura

17:22 | 01/07/2014
NULL
NULL

O senador e candidato ao Governo do Ceará, Eunício Oliveira (PMDB), encorpou o discurso de oposição à gestão de Cid Gomes (Pros), ao qual foi aliado durante quase toda o governo, durante entrevista ao programa do jornalista Luzenor de Oliveira, na manhã desta terça-feira, 1°. Ele rebateu ainda críticas à aliança com PSDB e falou sobre indicações para secretarias estaduais.

"Botar Hilux, carro de R$ 200 mil pra cuidar da Segurança? Estive em Londres (Inglaterra) agora, lá o carro da Polícia custa um equivalente de R$ 30 mil aqui”, disse Eunício, afirmando que o Governo fez “programa com carro bonito, mas não cuidou das pessoas”. O senador criticou ainda a situação salarial dos policiais. “O PM (policial militar) chega em casa e não tem como botar uma sopa na mesa”, disse, destacando gastos do governo com obras como o Acquario Ceará e a realização de eventos como o que trouxe o cantor Plácido Domingos, na inauguração do Centro de Eventos.
[SAIBAMAIS 3]
Ele criticou que os gastos aconteciam enquanto a Funceme alertava para a seca. “Enquanto isso eu lá em Brasília atrás de recurso pra seca. Essas obras não resolvem vidas das pessoas”, disse Eunício.

Secretarias
Apesar de ter deixado secretarias no governo há cerca de dois meses, Eunício criticou a indicação de nomes. “Precisa botar gente que entende das coisas. Botar na saúde quem entende de saúde. Na educação, quem entende de educação. Na convivência com a seca, quem entende de convivência com a seca", pontuou.

Os secretários indicados por Eunício Oliveira que deixaram a atual gestão foram: o controlador geral do Estado, João Melo; o secretário dos Recursos Hídricos, o sociólogo César Pinheiro; o presidente do Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente, o publicitário Bruno Sarmento; e o secretário executivo do Esporte, Aloísio Carvalho.

Aliança
O senador oficializou a candidatura ao Governo em chapa com PR e PSDB e deixou a aliança com a atual gestão por não ter recebido apoio para a sua candidatura. Diante de críticas à união com o PSDB no Ceará – rival histórico do PT de que Eunício é aliado nacional – o candidato disse que “infidelidade não é incoerência” e ressaltou que o Supremo Tribunal Federal decidiu pela não verticalização das alianças.

Eunício disse ainda que não vai "bater boca com quem sequer é cearense e não vota aqui", se referindo ao secretário da Saúde e irmão do governador, Ciro Gomes. "Incoerente é quem mudou sete ou oito vezes de partido. Só vou discutir com o candidato", afirmou. Em relação à Saúde, Eunício criticou que o Hospital Regional Norte, em, Sobral “só tem 70 dos 300 leitos funcionando”.

Durante a entrevista, o senador atacou também a Educação do Estado. Ele disse que o ensino fundamental melhorou "graças aos prefeitos" e que o ensino médio “está estagnado”. “Essa propaganda positiva é falsa”, criticou Eunício.

O POVO Online tentou contato com a Secretaria da Saúde, mas as ligações não foram atendidas.

Redação O POVO Online

TAGS