PUBLICIDADE
Notícias

Desculpas do Santander não apagam incidente, diz Falcão

19:45 | 25/07/2014
O presidente nacional do PT, Rui Falcão, disse nesta sexta-feira, 25, que a iniciativa do Banco Santander de apresentar desculpas formais por ter afirmado, em comunicado a correntistas, que a reeleição da presidente Dilma Rousseff prejudicará a economia, não apaga o incidente. Para ele, o episódio repete outros ocorridos no passado, quando a eleição do então candidato Luiz Inácio Lula da Silva também foi apresentada como uma ameaça.

"Vou aceitar as desculpas do banco, mas isso não elide o que aconteceu", afirmou. "O que aconteceu é proibido, porque você não pode fazer manifestações que por qualquer razão interfiram na decisão do voto. E aquele tipo de afirmação pode sim interferir na decisão do voto", declarou Falcão. Ele deu entrevista após reunião com o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), um dos quatro candidatos a governador do Rio que apoiam a reeleição da presidente.

Falcão afirmou que "já vimos este filme no passado". "Criaram o Lulômetro, para medir como é que a Bolsa oscilava. E agora mesmo tem essas especulações, a Bolsa sobre, a Bolsa desce. E (isso) deve estar beneficiando inclusive quem não está interessado no resultado eleitoral, mas em ganhar dinheiro com especulação", afirmou. Ele contou ter sido informado de que o banco pediu desculpas formais por carta à Presidência e promoveu demissões de envolvidos na produção do texto.

O petista considerou "muito ruim" o banco ter produzido o texto. "É uma coisa que nos prejudica, espero que daqui para a frente nem o Santander, nem nenhuma outra instituição incorra nesse tipo de atividade", disse. "Então, acho importante que o banco tenha tomado essas providências (os pedidos de desculpas do banco e as demissões), mas esse tipo de coisa é repetição. Como foi também aquela campanha quando se aproximava no final de 2002, de que ia ter uma grande crise no País, os empresários iam fugir, ia ter uma fuga de capitais. Então são episódios muito semelhantes, que condenamos", declarou.

TAGS