PUBLICIDADE
Notícias

Campos ouve críticas por poupar Lula e agradar Marina

10:08 | 19/06/2014
A decisão do pré-candidato do PSB ao Planalto, Eduardo Campos, de preservar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva das críticas ao governo do PT e as concessões à pré-candidata a vice em sua chapa, Marina Silva, levaram dirigentes da legenda nos Estados a pedir mudanças nos rumos da campanha.

Reunidos na casa onde Campos está vivendo em São Paulo, no dia 10, integrantes do partido atribuíram a performance do pré-candidato abaixo do esperado nas pesquisas de intenção de voto a esses dois fatores. Um dirigente do PSB disse a Campos que não dá para separar Lula da presidente Dilma Rousseff. Outro afirmou, na mesma reunião, que Marina e a Rede Sustentabilidade - grupo político da ex-ministra incorporado ao PSB - têm feito exigências demais. Isso estaria, na visão dos críticos, mais atrapalhando que ajudando Campos, à medida que as posições de Marina afastariam potenciais aliados.

O pré-candidato ouviu os dirigentes do PSB e disse não concordar com essas opiniões. Campos afirmou que separar Lula de Dilma faz parte da estratégia para buscar eleitores à esquerda descontentes com o atual governo. E que a união com Marina continua a ser um impulso para se tornar conhecido. Apesar disso, o pré-candidato - que também é presidente do partido - não convenceu os correligionários insatisfeitos.

Para um dirigente do PSB, preservar Lula não faria sentido porque o petista não vai retribuir a gentileza se Campos for ao segundo turno contra Dilma. Se a presidente enfrentar o tucano Aécio Neves no fim de outubro, Lula é quem teria de atrair o PSB para vencer a oposição, segundo esse raciocínio. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

TAGS