PUBLICIDADE
Notícias

Deputado critica uso de informações sobre segurança no Ceará em propaganda política

17:10 | 09/05/2014

O deputado Wellington Ladim (Pros) repercutiu o artigo do governador Cid Gomes (Pros), no qual critica “uso eleitoreiro” da Segurança para “criar medo na sociedade”, e fez referência à propaganda do PSDB durante a sessão desta sexta-feira, 9, da Assembleia Legislativa do Estado. Ele destacou as ações da Secretaria de Segurança Pública e criticou a veiculação de suposto ranking da ONU em que Fortaleza aparece como uma das cidades mais violentas do mundo.

“Está sendo veiculada na TV, durante a propaganda eleitoral, a informação de que Fortaleza é a sétima cidade mais violenta do mundo. Isso é nazismo. Alguns veículos atribuíram ao Escritório sobre Drogas da ONU uma lista que coloca 11 cidades brasileiras entre as 30 mais violentas do mundo. Agora, a própria ONU afirma que essa lista não consta no seu relatório. Está mais do que claro que não passa de uma inverdade. Resta aos homens de bem fazerem uma retratação pública, pois isso prejudicou nosso Estado e nossa cidade”, afirmou Landim.

O parlamentar repetiu argumentos usados pelo governador em seu artigo para rebater as críticas sobre a situação da violência no Ceará. “As pessoas não entendem que a segurança pública está para o povo assim como a educação. Sua transformação é lenta e gradual”, disse Landim.
[SAIBAMAIS 2]
Os deputado Fernando Hugo (SDD) e Ely Aguiar (PSDC) pontuaram que a violência continua em situação “alarmante” em todo o Estado. Landim defendeu que o Governo tem feito sua parte, mas precisa da ajuda da população que não deve se deixar levar por propagandas baseadas em pesquisas que espalham o medo.

O líder do Governo na Casa, deputado José Sarto (Pros), concordou que há uma sensação de incômodo em relação à violência no Ceará, mas que o governador não irá desistir de trabalhar para combatê-la.

O POVO Online tentou entrar em contato com o presidente do PSBD no Ceará, Luiz Pontes, mas ele não estava disponível até a publicação da matéria.

Redação O POVO Online
com informações da Agência AL

TAGS