PUBLICIDADE
Notícias

Déda faltará a jantar do PT devido a tratamento de saúde

21:58 | 16/01/2013
O governador de Sergipe, o petista Marcelo Déda, "se solidarizou" com os companheiros de partido que foram condenados pelo Supremo Tribunal Federal (STF), no processo do Mensalão. Déda, no entanto, avisou que não comparecerá ao jantar de adesão que o PT está organizando, em Brasília, na quinta-feira (17), para arrecadar recursos para o pagamento das multas pelo processo, porque está indo para São Paulo dar prosseguimento a um tratamento de saúde.

O governador disse que contribuirá com a "vaquinha" que está sendo feita pelos petistas, sem querer revelar com quanto. "Eu, se procurado, contribuirei nos limites da minha solidariedade, com aqueles que são meus amigos. Foram meus companheiros de 20, 30 anos e que eventualmente estão condenados pelo STF", afirmou. José Dirceu, José Genoino e João Paulo Cunha, juntos, foram condenados pelo STF a pagar multas de mais de R$ 1,5 milhão.

"Eu sou de uma geração que aprendeu a valorizar a solidariedade. Solidarizar-se com um companheiro, com um amigo, que eventualmente sofreu uma condenação criminal, não significa nenhum tipo de adesão a um possível erro que foi cometido. É um dos aspectos mais belos da vida humana: ser capaz de solidarizar-se a um companheiro que não deixou de ser amigo, porque eventualmente foi condenado", afirmou o governador. "Acho que a tradição brasileira é eminentemente cristã", acrescentou, em entrevista, no Palácio do Planalto, após audiência com a presidente Dilma Rousseff. Ele negou que o assunto tenha sido tratado com a presidente.

Para justificar sua solidariedade, o governador sergipano acabou citando a Bíblia. "Há um trecho em Mateus que precisa ser lido com mais frequência. É aquele em que o evangelista diz que Jesus relatara que no final dos tempos ele agradeceria às pessoas que o visitaram quando estava doente, que foram a prisão quando ele estava preso. Eles dirão: `Mas eu nunca te vi na prisão, nunca te vi doente'. Ele disse: `Aquele preso a quem foste visitar, aquele doente a quem visitaste era eu'. Isso não precisa ser religioso para entender."

Lembrando que Mateus falava dos injustiçados e não de condenados, como foram os mensaleiros, o governador de Sergipe desconversou: "Não vou abrir um debate teológico. Eu não estou abusando de generosidade".

Déda afirmou que esteve no Planalto para levar o prefeito do DEM, João Alves, para discutir assuntos de interesse de Aracaju, apesar de Alves pertencer a um partido de oposição. Ele informou ainda que a presidente Dilma prometeu visitar a cidade, se possível antes do Carnaval, para inaugurar uma ponte ligando Sergipe à Bahia e para participar da assinatura de contratos com empresas que vão se instalar no Estado e farão investimentos da ordem de R$ 700 milhões.

TAGS