PUBLICIDADE
Mundo
Mundo

Opinião: Cinismo como política de Estado na Arábia Saudita

14:21 | 10/08/2018
Menino ferido no ataque da coalizão liderada pela Arábia SauditaLíderes sauditas pouco se importam com as mortes de civis, incluindo crianças, e continuam sua guerra no Iêmen. Os próprios cidadãos são intimidados. Essa arrogância ditatorial assusta, opina o jornalista Kersten Knipp.Foi um erro, um entre muitos. Na verdade, afirmou um porta-voz da coalizão militar em ação no Iêmen, o ataque estava direcionado contra insurgentes houthis. Mas, aparentemente, cometeu-se um erro. Em vez dos rebeldes, um ônibus escolar cheio de crianças foi atingido: 29 estudantes foram mortos, quase 50 outros passageiros, incluindo 30 crianças, saíram feridos.

O erro que matou tantas crianças é sintomático da falta de reflexão com a qual a coalizão liderada pela Arábia Saudita vem conduzindo a guerra no Iêmen há quase três anos e meio. Por volta de 6 mil civis já foram vítimas desse conflito, mais de 9 mil pessoas ficaram feridas.

Quer receber as notícias da DW Brasil no Whatsapp? Clique aqui

Mais de 22 milhões de pessoas dependem de suprimentos fornecidos pela ajuda humanitária, mais de 2,5 milhões de jovens iemenitas estão fora da escola. As eficazes bombas da Arábia Saudita e seus aliados afundam, a cada dia que passa, ainda mais esse país já altamente empobrecido na miséria.

Até agora, a coalizão conseguiu pouco: os houthis, aliados do maior rival dos sauditas, o Irã, continuam invictos. Apesar de todas as vítimas, a Arábia Saudita dá continuidade à sua guerra por procuração.

Os diversos ataques fatais contra a população civil pouco impressionaram a liderança política e militar dos sauditas. Eles continuam a bombardear o país do ar. Seja, como neste caso, em retaliação a um ataque anterior de mísseis houthis contra território saudita, seja sem tais motivos: o bombardeio continua.

No entanto, o recente ataque não é apenas sintomático da conduta militar da administração saudita no Iêmen. O cinismo também combina com o comportamento que o governo em Riad tem frente a seus próprios cidadãos. Ele os trata mal, como se fossem sua propriedade pessoal, como se fossem uma massa anônima de pessoas que se pode tratar de forma arbitrária – e não cidadãos com direitos.

Apenas alguns dias atrás, Riad prendeu duas jovens ativistas de direitos civis, uma delas a irmã do blogueiro Raif Badawi, que se encontra preso há vários anos. As razões não foram divulgadas. O único motivo para a prisão, de acordo com ativistas sauditas, é intimidar ainda mais os possíveis oponentes.

O comportamento desmesurado e irritadiço do regime também se refletiu na sua reação a um tuíte da ministra do Exterior do Canadá, em que ela criticava as prisões e exigia a libertação das ativistas. Como resultado, a Arábia Saudita expulsou o embaixador canadense e retirou o seu do Canadá. Riad também anunciou sua intenção de congelar as relações comerciais e programas acadêmicos entre os dois países.

Tudo isso por causa de um tuíte? A flagrante desproporção revela a arrogância ditatorial que o regime demonstra em relação a todos aqueles que pensam de maneira diferente – contra seus cidadãos indefesos da mesma forma que contra outros Estados. Um absolutismo aterrorizante emana da reação saudita.

Mas principalmente um absolutismo contra o qual devemos nos proteger. O deputado federal alemão Norbert Röttgen está certo ao pedir à União Europeia (UE) e ao governo alemão que declarem sua solidariedade ao Canadá e rejeitem a ação saudita.

Até agora, isso não aconteceu, o que é vergonhoso. A UE se vê como uma comunidade de valores. Mas o que acontece com esses valores quando se está diante de ditadores sentados sobre enormes campos de petróleo?

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp

| App | Instagram | Newsletter
Autor: Kersten Knipp

DW Brasil