Participamos do

Fed dos EUA determina maior alta da taxa de juros em 22 anos

00:01 | Mai. 13, 2022
Autor DW
Tipo Notícia

Prédio da sede do Fed, em WashingtonTaxa básica da economia americana aumentou 0,5 ponto. Objetivo é conter maior alta da inflação em 40 anos no país. Brasil, Índia e Austrália também aumentaram suas taxas nesta semana, e Reino Unido deve fazer o mesmo.O Fed (Banco Central dos Estados Unidos) decidiu nesta quarta-feira (04/05) aumentar a taxa básica de juros do país em 0,5 ponto percentual, para uma faixa de 0,75% a 1%. É o maior aumento desde 2000, e constitui uma tentativa para combater a alta nos preços. A inflação nos EUA está aumentando em um ritmo que não era registrado há 40 anos, e mais altas da taxa básica de juros são esperadas nos próximos meses. "É essencial que baixemos a inflação", disse o presidente do Fed, Jerome Powell, em uma entrevista à imprensa. Ele disse que mais aumentos de 0,5 ponto na taxa de juros estariam "sobre a mesa nas próximas reuniões", mas que um aumento de 0,75 ponto não está sendo considerado. As ações americanas subiram acentuadamente após os comentários de Powell, com o S&P 500, índice de 500 ações negociadas em bolsas de Nova York, saltando 1,7%. A atual taxa básica de juros dos EUA, de 0,75% a 1%, é a mais alta desde o início da pandemia de covid-19. Plano de vender títulos O Fed também anunciou planos de reduzir seu balanço patrimonial de 9 trilhões de dólares (R$ 44,1 trilhões) para lidar com o rápido aumento dos preços. Em outras palavras, pretende começar a vender títulos do governo e outros ativos que comprou no passado para estimular a inflação e o crescimento. Uma declaração do Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês) do Fed observou o impacto "altamente incerto" de fatores externos como a invasão russa da Ucrânia, que estão "criando pressão adicional para cima sobre a inflação e que provavelmente pesarão sobre a atividade econômica". "Os bloqueios relacionados à covid na China provavelmente acentuarão disrupções na cadeia de abastecimento", o que poderia também aumentar a inflação, disse o FOMC. Os bancos centrais de vários países estão aumentando os custos dos empréstimos em um esforço para amortecer o impacto da inflação. Mas também há preocupações de que tais iniciativas possam dificultar o crescimento econômico e até mesmo empurrar grandes economias para a recessão. Os preços estão subindo em um momento em que muitos países, ainda cambaleando devido à pandemia, estão enfrentando pressões adicionais devido às interrupções na cadeia de fornecimento causadas pela guerra na Ucrânia. Como outros países estão respondendo à inflação? A maioria das economias do Ocidente têm mantido suas taxas de juros em ou perto de zero, um nível baixo e mais ou menos constante desde a crise financeira de 2008. Entretanto, a pandemia e os caros mecanismos de enfrentamento adotados em grande parte do mundo já estavam aumentando a inflação e provocando discussões sobre uma mudança de rumo, mesmo antes do conflito na Ucrânia colocar pressões adicionais sobre os preços dos alimentos e dos combustíveis. O Banco Central da Índia também aumentou a taxa básica de juros na quarta-feira, apenas horas antes do anúncio do Fed. Foi sua primeira alta desde agosto de 2018. A terceira maior economia da Ásia aumentou os custos de empréstimo em 40 pontos base, para 4,40%, com efeito imediato. "Como várias tempestades caíram juntas, nossas ações de hoje são passos importantes para estabilizar o navio", disse o diretor do Banco Central da Índia, Shaktikanta Das. "As pressões inflacionárias mais alarmantes, persistentes e disseminadas estão se tornando mais agudas a cada dia que passa." Ele observou que a escassez de óleos comestíveis devido ao conflito na Ucrânia estava fazendo com que os preços dos alimentos na Índia subissem rapidamente. A Índia é o maior importador mundial de óleos comestíveis, incluindo óleo de palma e de soja. Na terça-feira, o Banco Central da Austrália anunciou um aumento maior do que o esperado de 25 pontos base, elevando a taxa de juros básica para 0,35%, no primeiro aumento em mais de uma década. O Banco da Inglaterra também deve aumentar nesta quinta-feira a taxa de juros básica pela quarta vez consecutiva, de 0,75% para 1%. O Banco Central Europeu, por sua vez, tem resistido até agora a tal movimento. O vice-presidente do BCE, Luis de Guindos, disse em uma entrevista publicada no fim de semana que o Conselho do Banco Central Europeu não havia discutido "nenhum caminho predeterminado para o aumento das taxas". O Brasil está em um ciclo de aumentos da sua taxa básica de juros, a Selic, há um ano, desde maio de 2021. O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu nesta quarta-feira elevar a taxa Selic de 11,75% para 12,75% ao ano, alta de 1 ponto percentual. A taxa de juros básica da economia está no seu nível mais alto desde fevereiro de 2017. O atual ciclo de alta da Selic é o maior desde 1999, quando o Banco Central aumentou a taxa em 20 pontos percentuais durante a crise cambial. A meta de inflação para o Brasil em 2022 é de 2% a 5%, mas operadores do mercado e o próprio Banco Central estimam que os preços subam cerca de 8% neste ano. bl (AFP, Reuters, AP)

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar