Participamos do

Banco Mundial afirma que guerra na Ucrânia aumenta riscos no Oriente Médio e Norte da África

10:32 | Abr. 14, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

A pressão inflacionária, agravada pela guerra na Ucrânia, aumenta o risco de distúrbios sociais e humanitários nos países mais pobres do Oriente Médio e Norte da África (região MENA), de acordo com um relatório do Banco Mundial publicado nesta quinta-feira (14).

"O aumento dos preços dos produtos alimentares poderá ter efeitos consideráveis, para além do aumento da insegurança alimentar", disse esta instituição nas suas últimas previsões econômicas, já que, como apontam, "historicamente, na região do MENA, os aumentos do preço do pão desencadeou mais conflitos sociais".

Rússia e Ucrânia são dois grandes produtores e exportadores mundiais de cereais e fertilizantes (necessários para a agricultura). Além disso, a Rússia é um ator-chave no mercado de energia.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Na região MENA, que é altamente dependente do fornecimento de trigo desses dois países, a guerra "certamente agravará a pressão inflacionária causada pela pandemia de covid-19", disse o relatório.

Segundo o Banco Mundial, a taxa de inflação nos países ricos do Golfo (produtores de petróleo) pode passar de 1,2% em 2021 para 3% este ano. Nos países importadores, a inflação seria de 3,7%, abaixo dos 1,4% de 2021.

O aumento dos preços do petróleo pode, no entanto, beneficiar os países produtores de petróleo, elevando o crescimento regional para 5,2% em 2022, o nível mais alto desde 2016.

"A região como um todo se mantém pelo petróleo" e se comporta "muito melhor" do que outras, disse à AFP Daniel Lederman, economista encarregado da região do MENA. No entanto, o crescimento é "insuficiente e desigual".

"Insuficiente, porque muitos países da região estão mais pobres, em termos de PIB por habitante, do que eram em 2019, antes da pandemia", acrescenta o economista. E "desigual, porque os países que vão se recuperar mais rápido, em 2022, são os exportadores de petróleo, mas os importadores vão sofrer".

mah/saa/awa/grp/es/aa

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar
1