Participamos do

Inflação dispara na Argentina em meio a mal-estar social

19:17 | Abr. 13, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

A Argentina registrou uma inflação de 6,7% em março e os preços ao consumidor acumularam uma alta de 16,1% no primeiro trimestre de 2022, em meio ao mal-estar social crescente, com manifestações que exigem mais ajuda do governo.

A inflação anual chegou em março a 55,1%, uma das mais altas do mundo, informou hoje o Instituto de Estatísticas estatal. O item alimentação teve alta de 7,2% em março. Também houve fortes aumentos em educação (23,6%), vestuário e calçados (10,9%), e habitação, água, luz e gás (7,7%).

Milhares de manifestantes saíram em passeata hoje até a sede do governo para pedir ao presidente Alberto Fernández empregos e maior assistência do Estado.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

O economista Víctor Beker, diretor do Centro de Estudos da Nova Economia da Universidade de Belgrano, atribuiu o aumento da inflação ao impacto dos aumentos previstos em energia e educação, mas também ao efeito do "aumento dos preços das commodities devido à guerra na Ucrânia".

"Como se isso não bastasse, acrescentou-se o anúncio feito pelo presidente Alberto Fernández de uma 'guerra contra a inflação', que gerou remarcações preventivas de preços por medo de congelamento", acrescentou o economista.

A Argentina experimenta uma reativação econômica, com 10,3% de crescimento em 2021, depois de mais de dois anos de recessão, mas essa cifra é ofuscada pela inflação, que reduz o poder de compra, e pela pobreza, que atinge 37% da população.

nn/ls/mr/lb

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar
1