Participamos do

Departamento de Estado defende o uso de Biden do termo 'genocídio' diante do ataque russo

20:27 | Abr. 13, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

O Departamento de Estado americano defendeu a acusação do presidente Joe Biden de que a Rússia está cometendo um genocídio na Ucrânia, ao dizer que as forças russas buscam destruir o país e sua população civil.

Biden lançou a acusação contra as forças do presidente russo, Vladimir Putin, pela primeira vez na terça-feira, acrescentando, no entanto, que caberia aos advogados decidirem se o comportamento da Rússia realmente se qualifica como genocídio.

"Vou prever que o que o presidente Biden chamou é, em última análise, o que provavelmente vamos encontrar quando conseguirmos reunir todas essas evidências", declarou Victoria Nuland, número três do Departamento de Estado, à CNN.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

"Porque o que está acontecendo no terreno não é um acidente", completou. "É uma decisão intencional da Rússia, de suas forças, de destruir a Ucrânia e sua população civil".

A convenção da ONU para prevenir o genocídio, de 1948, define o termo como um crime "cometido com a intenção de destruir, no todo ou em parte, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso".

Os estudiosos do direito são cuidadosos ao usar a palavra, e os líderes ocidentais estão divididos em acusar a Rússia de genocídio. O Kremlin classificou a declaração como "inaceitável".

Diplomatas dos EUA tentaram minimizar o impacto dos comentários do presidente, dizendo que o termo foi adotando principalmente por uma posição "moral" e não estritamente legal.

fff/dw/ec/atm/dga/am

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar
1