Participamos do

Biden, o acusador em chefe de Putin, um 'carniceiro' culpado de 'genocídio'

16:37 | Abr. 13, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

Joe Biden tacha o presidente russo Vladimir Putin de "criminoso de guerra" e "carniceiro", alguém que não deveria "permanecer no poder" e, além disso, agora o considera culpado de "genocídio", adjetivos cada vez mais duros e que pegam seus aliados e colaboradores desprevenidos.

Quando o presidente dos Estados Unidos se dirigiu na terça-feira (12) para o lugar onde estavam os jornalistas que o esperavam antes de seu retorno a Washington, após uma visita ao estado de Iowa, surgiu uma pergunta: "Você acredita que Vladimir Putin comete um 'genocídio' na Ucrânia?"

Um pouco antes, durante um discurso sobre inflação e biocombustíveis, o comandante em chefe dos Estados Unidos usou pela primeira vez o termo genocídio.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

"O orçamento de sua família, sua capacidade para encher a dispensa, nada disso deveria depender de um ditador que declara guerra e comete genocídio do outro lado do mundo", disse.

Rapidamente, a Casa Branca avisou aos jornalistas que haveria um esclarecimento. Contudo, mais tarde, Biden manteve sua posição: "Sim, eu disse genocídio."

No entanto, esclareceu que "os advogados, a nível internacional", decidirão sobre a qualificação de genocídio, que o direito internacional define como um "crime cometido com a intenção de destruir no todo, ou em parte, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso".

Porém, logo antes de embarcar, Biden insistiu novamente: "Para mim, parece [genocídio]."

Até poucos dias atrás, os funcionários americanos garantiam que seria "muito difícil" qualificar em nível jurídico as "atrocidades" atribuídas às tropas russas de "genocídio".

Quando a AFP preguntou ao Departamento de Estado americano se o mesmo havia chegado à conclusão formal de que está havendo um genocídio na Ucrânia, este não quis comentar a respeito.

Assim que, foi mais uma vez o presidente americano quem despontou como o principal acusador do chefe de Estado russo.

As tropas russas sofrem acusações de crimes de guerra desde o início da invasão em 24 de fevereiro, especialmente depois da descoberta recente de centenas de civis que supostamente foram assassinados em Bucha, uma cidade próxima a Kiev e reconquistada pelo exército ucraniano.

O presidente ucraniano, Volodimir Zelensky, elogiou no Twitter as "palavras verdadeiras de um líder verdadeiro". Por outro lado, a reação do Kremlin foi totalmente distinta, ao considerar "inaceitável qualquer tentativa de distorcer a situação dessa forma".

Em 16 de março, Biden chamou Putin de "criminoso de guerra" e, dias depois, de "carniceiro", em comentários breves e espontâneos para a imprensa.

Biden também surpreendeu sua equipe e seus aliados de Washington quando disse em Varsóvia em 26 de março que Putin "não pode permanecer no poder".

Enquanto seu comboio se dirigia até o aeroporto da capital polonesa, a Casa Branca improvisou um esclarecimento que se apressou a distribuir entre os jornalistas para garantir que não, que Washington não estava pedindo uma mudança de regime na Rússia.

Mais tarde, o próprio Biden explicou que, com suas palavras, queria expressar "sua indignação".

Sobre o uso dos termos "criminoso de guerra" e "genocídio", ele disse o mesmo, que expressa sua sensação e deixa as conclusões jurídicas para outros.

Isso não é algo de se estranhar vindo de Biden, pois, em vários temas, e não só internacionais, ele "fala do coração" e não contém seu temperamento emotivo.

Mesmo que isso signifique desestabilizar seus aliados. Na última quinta-feira, o presidente francês, Emmanuel Macron, que já havia criticado o uso do termo "carniceiro", se recusou a classificar o que acontece na Ucrânia de "genocídio".

"É uma loucura o que está acontecendo, uma brutalidade assombrosa [...] mas, ao mesmo tempo, olho para os fatos e quero tentar, ao máximo, continuar sendo capaz de deter esta guerra e reconstruir a paz, assim que não estou convencido de que a espiral verbal sirva de ajuda", disse Macron.

"A escalada verbal não ajuda necessariamente a causa" da busca por uma saída negociada na Ucrânia, ressaltou um diplomata europeu.

Com essas reações que causam indignação em Moscou, o presidente americano também tenta "responder" à "pressão" do Congresso americano, que o empurra para aumentar seu apoio à Ucrânia e para endurecer o tom com Vladimir Putin, acrescentou o diplomata.

Como Joe Biden já descartou enviar soldados à Ucrânia, apenas lhe restam os envios de armas a Kiev, e suas palavras.

aue-fff/vgr/erl/rsr/rpr/mvv

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar
1