Participamos do

Campanha recomeça na França com opositores unidos contra Le Pen

10:02 | Abr. 12, 2022
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A disputa para o segundo turno das eleições na França já começou com o presidente Emmanuel Macron angariando o apoio de seus rivais contra a candidata de extrema direita, Marine Le Pen. Os candidatos mais à esquerda, como Fabien Roussel, Anne Hidalgo, Yannick Jadot e - criticamente - Jean-Luc Mélenchon, pediram votos para o presidente, mas a vitória ainda parece longe de ser garantida.

Em uma eleição que relembra o segundo turno de 2017, quando a disputa também se resumiu a evitar a ascensão da extrema direita e Macron venceu com mais de 30 pontos porcentuais de diferença, o atual presidente desta vez não deve encontrar um cenário tão confortável. Ele terá agora de reconquistar a esquerda que se vê decepcionada com seu primeiro governo, bem como superar a alta abstenção do primeiro turno.

Quando os resultados das pesquisas de boca de urna começaram a desenhar uma vitória apertada de Macron - com 27,85% dos votos contra 23,15% de Le Pen - os candidatos derrotados já iniciaram um posicionamento contra a extrema direita. A esquerda foi a primeira a puxar os votos pró-Macron pela Frente Republicana, mas não sem antes fazer críticas ao governo.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

A candidata socialista Anne Hidalgo, atual prefeita de Paris, foi a primeira a declarar apoio ao atual presidente: "peço-lhe com seriedade que vote contra a extrema direita de Marine Le Pen usando o voto em Emmanuel Macron", declarou. O ecologista Yannick Jadot também foi direto ao pedir "o bloqueio da extrema direita depositando uma cédula de Emmanuel Macron na urna".

"Votarei com consciência em Emmanuel Macron para impedir a chegada ao poder de Marine Le Pen e o caos que disso resultaria", declarou a republicana Valérie Pécresse, sendo mais enfática que seu próprio partido, que optou por rechaçar Le Pen sem declarar voto aberto em Macron.

"Nenhuma voz pode ser lançada sobre Marine Le Pen" disse o presidente do partido Republicanos, Christian Jacob, durante uma entrevista coletiva realizada após a votação, deixando claro que o apoio a Macron não é uma unanimidade dentro do partido. "Nossa família política é diversa: alguns vão votar em branco, outros vão votar em Macron, esse será o meu caso", disse.

Um candidato importante que optou por adotar a mesma estratégia dos Republicanos foi o terceiro colocado, Jean-Luc Mélenchon, do partido França Insubmissa, que obteve 22% dos votos. "Não devemos dar um único voto à Le Pen", afirmou sem citar diretamente Macron.

Embora Macron pareça ter um potencial maior de angariar eleitores do que Le Pen, ainda é altamente incerto quantas pessoas irão de fato migrar o voto para o atual presidente em 24 de abril. Sua maior dificuldade será justamente com os eleitores de Mélenchon, que incluem aqueles da esquerda que ficaram desapontados com a guinada à direita do presidente em segurança nacional e seu histórico em políticas climáticas. As pesquisas sugerem que cerca de um terço dos apoiadores de Mélenchon pode votar em Le Pen no segundo turno.

Segundo a pesquisa do Instituto Ifop publicada na noite de domingo, 10, 44% dos eleitores de Mélenchon devem se abster de votar, enquanto os votos válidos se dividirão com 33% indo para Macron e 23% para Le Pen.

"Os eleitores de esquerda realmente têm a chave para esta eleição em suas mãos - eles são os mandantes", disse Vincent Martigny, cientista político da Universidade de Nice em entrevista ao Washington Post.

O mesmo tende a acontecer com os votos da republicana Valérie Pécresse, que sinalizam se dividir entre Macron e Le Pen segundo as pesquisas, apesar do apoio explícito da candidata ao primeiro.

Para Le Pen, até agora, estão garantidos os votos do também candidato de extrema direita Éric Zemmour, que obteve 7%. Tampouco será uma disputa fácil para a candidata do Reagrupamento Nacional, que terá de decidir se será fiel ao eleitorado extremado e correr o risco de perder os valiosos votos de Mélenchon ou o oposto, precisando amenizar seu discurso e arriscando decepcionar a sua base.

A mesma sondagem do Instituto Ifop mostra uma disputa apertada, com Macron à frente com 51% dos votos, e Le Pen encostada com 49%. Projeções da revista The Economist sugerem um resultado final de 52% para Macron e 48% para Le Pen. O próprio Macron reconhece que o resultado de 24 de abril é "incerto".

Macron tenta conquistar reduto de Le Pen

Após uma campanha com pouco fôlego no primeiro turno, Macron começou os trabalhos nesta segunda-feira, 11, visando os redutos que votaram em Marine Le Pen. Ele viajou à cidade de Denain, uma das regiões mais pobres do norte da França, onde 42% dos eleitores apoiaram Le Pen e apenas 15% escolheram Macron.

"Aqui eu fiquei em terceiro (no primeiro turno) e vim ao encontro de nossos compatriotas para escutar, para convencer", disse Macron.

Mas a estratégia é arriscada. Ao viajar para áreas que são redutos da direita, Macron corre o risco de alienar ainda mais os eleitores da esquerda. Contudo, os tópicos que dominaram sua viagem - o impacto da desindustrialização e da alta pobreza - foram centrais tanto para Le Pen quanto para Mélenchon. Este último recebeu 19% votos em Hauts-de-France, onde está localizado Denain. (Com agências internacionais).

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar