Participamos do

Israel: governo perde maioria no Parlamento e abre nova crise política

07:38 | Abr. 07, 2022
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A distribuição de pão com fermento durante a Páscoa Judaica abriu uma nova crise política em Israel. Um ano após assumir o poder, a coalizão do primeiro-ministro, Naftali Bennett, perdeu a maioria parlamentar nesta quarta-feira, 6, após a saída surpreendente de Idit Silman, deputada conservadora e profundamente religiosa.

No ano passado, Bennett havia conseguido montar a duras penas uma maioria de 61 deputados - de um total de 120. Após quatro eleições inconclusivas em dois anos, ele apeou da cadeira o então premiê Binyamin Netanyahu, que governava Israel de maneira ininterrupta desde 2009, um reinado que lhe rendeu o apelido de "Rei Bibi".

Crise

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

A razão da saída de Silman, pelo menos publicamente, foi um confronto com o ministro da Saúde, Nitzan Horowitz. No início da semana, ele seguiu uma decisão da Suprema Corte e permitiu que os hospitais israelenses distribuíssem pão fermentado durante a Páscoa Judaica, em vez do pão ázimo, como manda a tradição.

Foi a gota d'água para Silman, deputada do partido Yamina, de Bennett, que mistura conservadores seculares e religiosos. "Eu tentei o caminho da unidade. Trabalhei muito por esta coalizão. Infelizmente, não posso concordar em prejudicar a identidade judaica de Israel", afirmou Silman.

Analistas políticos, no entanto, questionam se este foi o motivo real e destacam as tensões internas provocadas por divergências entre os diversos partidos que formam a coalizão de governo - um balaio de gatos que mistura judeus seculares, esquerdistas, centro-direita e árabes.

Golpe sério

A saída de Silman empata o jogo no Parlamento - 60 a 60 -, razão suficiente para comemoração do ex-premiê, agora líder da oposição. "Idit, você acaba de demonstrar que o que guia seu comportamento é a identidade judaica de Israel, a terra de Israel, e a recebo de novo no campo nacionalista", afirmou Netanyahu.

Analistas afirmam que Bennett sofreu um golpe, mas pode sobreviver. "Se não houver novos desertores, a queda do governo não está garantida e exigirá manobras políticas complicadas", disse Anshel Pfeffer. Sem maioria, o governo é incapaz de aprovar leis sem o apoio da oposição. Agora, é possível que Netanyahu tente dissolver o Parlamento com o apoio de Silman, que poderia concorrer pelo Likud, partido do ex-premiê, na próxima eleição.

Dissolução

Analistas, no entanto, dizem que os deputados opositores talvez não tenham pressa em apoiar uma dissolução do governo por medo de perder seus mandatos. No momento, o Parlamento de Israel está em recesso e o orçamento, que precisa ser aprovado pela maioria para evitar a dissolução, já recebeu a votação positiva dos deputados.

Netanyahu não esconde de ninguém que pretende voltar ao cargo de primeiro-ministro, apesar de vários escândalos de corrupção. O caso 1000 envolve alegações de que sua família recebia presentes ilegais, incluindo champanhe, joias e charutos em troca de favores políticos para bilionários.

Os presentes vieram de Arnon Milchan, um produtor de Hollywood, e do empresário australiano James Packer. No caso 2000, Netanyahu foi acusado de trabalhar com Arnon Mozes, dono do Yedioth Ahronoth, jornal mais vendido de Israel, para limitar a circulação do jornal rival em troca de uma cobertura mais positiva.

As acusações mais sérias estão contidas no Caso 4000, em que ele é acusado de dar concessões regulatórias a Shaul Elovitch, acionista controlador da empresa de telecomunicações Bezeq, em troca de cobertura favorável de seu site de notícias Walla. Netanyahu nega todas as acusações.

Unidade

Ontem, o ex-premiê pediu a outros deputados de direita do governo que se unam a ele e os partidos religiosos que o apoiam. "Vocês serão recebidos com os braços abertos e todas as honras", declarou Netanyahu.

A crise política também ocorre em um momento de tensão em Israel, que sofreu três atentados nas últimas duas semanas, dois vinculados ao grupo extremista Estado Islâmico.

O aumento da violência levou o governo de Israel a intensificar as operações na Cisjordânia, território palestino ocupado, e aumentou o temor de incidentes durante o Ramadã, mês de jejum e oração dos muçulmanos, quando normalmente acontecem grandes concentrações de fiéis.

Divisão de governo

A coalizão atual foi formada com o único propósito de depor Netanyahu. Segundo o acordo, o Bennett dividiria o cargo com Yair Lapid, que nos primeiros dois anos ocuparia a chancelaria. Lapid é inimigo declarado de Netanyahu e líder do partido Yesh Atid, de centro, uma dissidência do Azul e Branco, de Benny Gantz. (COM AGÊNCIAS INTERNCIONAIS).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar