Logo O POVO+

Jornalismo, cultura e histórias em um só multistreaming.

Participamos do

Opinião: Adeus da Europa ao gás russo tem seu preço

00:02 | Mar. 29, 2022
Autor DW
Tipo Notícia

Biden e Von der Leyen: EUA prometem fornecer grande volume de gás liquefeito, mais caro, para compensar embargo às importações da Rússia. Os tempos exigem disposição para sacrifícios – até certo ponto, opina Christoph Hasselbach.Sob pressão, de repente tudo dá, num instantinho: os países da União Europeia querem se livrar o mais rápido possível das importações de petróleo e gás russas. Considerando que até agora 40% do gás natural importado pelo bloco tem vindo do país que invade a Ucrânia, logo se percebe a dimensão do desafio. Aí entram em cena os Estados Unidos: no futuro, o país quer fornecer até um terço do gás que a UE até agora comprava dos russos. Já em 2022, deverão ser 15 milhões de metros cúbicos. Embora seja muito, isso não passa de um décimo do volume atualmente importado da Rússia. O gás americano deverá sobretudo contribuir para encher os reservatórios europeus, que estão no momento bastante vazios: há ameaça de gargalos, o mais tardar no próximo inverno europeu, que vai de dezembro a março. A presença do presidente Joe Biden não só nas cúpulas da Otan de do G7, como também na da UE, assim como seu comprometimento para fornecer gás, fortalece as relações euro-americanas, que estavam duramente abaladas, sobretudo sob seu antecessor, Donald Trump. Por outro lado, no caso do gás não se trata de generosidade: para os EUA é, acima de tudo, um bom negócio, pelo qual, ironicamente, o próprio Trump, tão malquisto na Europa, fez campanha por muito tempo. Os EUA não serão o único país a aumentar suas exportações de gás para a Europa: a região quer diversificar suas fontes de abastecimento "na direção de fornecedores em que confiemos", segundo palavras da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen. Não é hora de ficar escolhendo Com democracia e direitos humanos, porém, essa transação nada tem a ver – basta considerar fornecedores de petróleo e gás como os Emirados Árabes Unidos ou o Catar, em cuja direção a Alemanha anda estendendo suas antenas. Contudo também isso faz parte do grande despertar provocado pela guerra da Rússia contra a Ucrânia. Em tempos de aperto, não se pode ficar escolhendo muito, a política para evitar os gasodutos russos tem seu preço. O gás liquefeito, em geral, é mais caro, pois exige adaptações tecnológicas; é preciso construir estações de desembarque para navios-tanques; criar uma infraestrutura de transporte que até o momento só existe de forma precária na Europa. Tudo isso custa bem mais do que o atual abastecimento pela Rússia. Com os custos adicionais, quem vai arcar é o consumidor, diretamente, ou o contribuinte, indiretamente. Por último, há mais um sapo para se engolir: o gás americano é extraído principalmente por fraturamento hidráulico (fracking), um método proibido em diversas partes da Europa, por razões ambientais. Também isso caiu agora para segundo plano. Morrer de frio não é solução Para a Alemanha, o desafio é ainda maior do que para a média da UE, pois o país compra do império de Vladimir Putin por volta de 55% de seu gás, e metade das casas do país é aquecida com o combustível fóssil. Também isso é fruto de anos de uma política comercial e externa com que primeiro o chanceler federal Gerhard Schröder e, depois dele, a democrata-cristã Angela Merkel tornaram a Alemanha extremamente dependente da Rússia. Portanto, para os alemães o redirecionamento será ainda mais radical do que em outras partes do continente. A crer nas pesquisas de opinião, os cidadãos estão basicamente dispostos a se sacrificar por essa causa. O que não pode é o ex-presidente alemão, Joachim Gauck, solicitar a seus compatriotas, num programa de televisão: "Podemos também, uma vez na vida, passar frio em nome da liberdade." Mais eficiência energética na calefação, como reivindica a UE, pode e deve ser a meta principal – lares congelantes, com certeza, não. -- Christoph Hasselbach. é jornalista da DW. O texto reflete a opinião pessoal do autor, não necessariamente da DW. Autor: Christoph Hasselbach

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar