Participamos do

EUA: Biden mantém política sobre uso de armas nucleares, sob pressão de aliados

10:36 | Mar. 25, 2022
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Deixando promessa eleitoral de lado, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, abraçou a tradicional postura de Washington de usar a ameaça de uma resposta nuclear para deter perigos nucleares ou convencionais, segundo fontes do governo americano. Durante a campanha eleitoral de 2020, Biden prometeu trabalhar por uma política pela qual o único objetivo do arsenal nuclear dos EUA seria deter ou responder a um ataque nuclear inimigo.

Sob pressão de aliados, Biden decidiu esta semana que o "papel fundamental" do arsenal nuclear americano será deter ataques nucleares. A expressão, no entanto, deixa aberta a possibilidade de que armas nucleares sejam também utilizadas em "circunstâncias extremas" para impedir ataques convencionais, com armas químicas ou biológicas e até mesmo ciberataques, disseram as fontes.

A nova orientação vem num momento em que Biden se reúne com aliados na Europa, numa tentativa de manter uma frente ocidental unida contra a invasão da Ucrânia pela Rússia e em meio a temores de aliados de que Moscou possa recorrer a armas nucleares ou químicas.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Procurada pelo The Wall Street Journal, uma porta-voz do Conselho Nacional de Segurança dos EUA se recusou a comentar o assunto. Fonte: Dow Jones Newswires.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Leia Mais.

Aceitar