Participamos do

Trump processa Clinton por alegações de conluio com a Rússia

18:46 | Mar. 24, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

O ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump apresentou nesta quinta-feira (24) uma queixa contra Hillary Clinton, líderes do partido Democrata e outros, alegando que o acusaram falsamente de conspirar com a Rússia antes das eleições de 2016.

"Nas vésperas da eleição presidencial de 2016, Hillary Clinton e seus asseclas orquestraram uma trama impensável, que choca a consciência e é uma afronta à democracia do país", diz o processo aberto em um tribunal federal na Flórida.

"Atuando em conjunto, os réus conspiraram maliciosamente para tecer uma narrativa falsa de que seu oponente republicano, Donald J. Trump, estava em conluio com uma soberania estrangeira hostil", aponta.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

"Trabalharam juntos para um propósito único e egoísta: difamar Donald J. Trump", acrescenta a denúncia, destacando ações realizadas como "falsificação de evidências, enganação das foras de ordem e exploração do acesso a fontes de dados altamente confidenciais".

Além de Clinton, outros réus nomeados incluem John Podesta, do Comitê Nacional Democrata, que foi presidente da campanha presidencial de Clinton em 2016, e o ex-diretor do FBI, James Comey.

Trump busca um julgamento com júri e pelo menos US$ 72 milhões em danos.

O ex-conselheiro especial Robert Mueller investigou a interferência russa na campanha presidencial de 2016, revelando várias reuniões entre assessores de Trump e russos.

Mas Mueller não disse que a campanha de Trump se envolveu em uma conspiração criminosa com a Rússia, levando Trump a proclamar que não havia "conluio".

Um relatório divulgado por um painel do Senado, liderado pelos republicanos, revelou vários contatos entre membros da campanha de Trump e autoridades russas, mas também não afirmou que havia uma conspiração.

O documento do Senado descobriu que um dos ex-gerentes de campanha de Trump, Paul Manafort, tinha um relacionamento de longa data com Konstantin Kilimnik, um suposto oficial de inteligência russo, e havia passado informações de campanha para ele.

cl/dw/atm/dga/ap/mvv

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Leia Mais.

Aceitar