Participamos do

Coreia do Norte disparou míssil balístico intercontinental, afirma presidente sul-coreano

06:11 | Mar. 24, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

A Coreia do Norte disparou nesta quinta-feira (24) um míssil balístico intercontinental (ICBM), afirmou o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, a primeira vez que Pyongyang lança uma arma tão potente desde 2017.

"Foi uma violação da suspensão dos lançamentos de mísseis balísticos intercontinentais prometida pelo presidente Kim Jong Un à comunidade internacional", destacou Moon em um comunicado.

"Isto representa uma grave ameaça à península da Coreia, à região e à comunidade internacional", afirmou, antes de acrescentar que também é uma "clara violação" das resoluções do Conselho de Segurança da ONU.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Pyongyang suspendeu oficialmente os testes de longo alcance enquanto o Kim Jong Un participava em negociações de alto nível com o então presidente dos Estados Unidos Donald Trump. Mas as conversações fracassaram em 2019 e estão paralisadas desde então.

Apesar das duras sanções internacionais, a Coreia do Norte intensificou os esforços para modernizar as Forças Armadas e, na semana passada, testou o que, segundo analistas, seria um "míssil monstro", um novo ICBM de longo alcance. O projétil explodiu pouco depois do lançamento.

Pouco antes da declaração do presidente sul-coreano, o governo japonês anunciou que o projétil caiu na zona econômica exclusiva do Japão, ao oeste de sua costa norte.

"Nossa análise indica que o míssil balístico voou durante 71 minutos e às 15H44 (3H44 de Brasília) caiu nas águas da zona econômica exclusiva do Japão, no Mar do Japão, a 150 quilômetros da península de Oshima, na ilha de Hokkaido", afirmou o vice-ministro da Defesa, Makoto Oniki.

"No momento em que o mundo está lidando com a invasão russa da Ucrânia, a Coreia do Norte pressiona com lançamentos que agravam unilateralmente as provocações contra a comunidade internacional, o que é absolutamente imperdoável", disse Oniki, antes de informar que o ministério não recebeu relatos de danos em navios ou aeronaves.

sh/ceb/ssy/bl/mis/mar/fp

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Leia Mais.

Aceitar