Participamos do

Otan reforçará soldados no flanco leste e faz advertência à China

12:36 | Mar. 23, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) afirmou, nesta terça-feira (23), que está preparando a mobilização de forças de combate extras para quatro países de seu flanco leste e fez uma advertência à China por seu apoio à Rússia na Ucrânia.

Na véspera de uma cúpula da aliança em Bruxelas, o secretário-geral da entidade, Jens Stoltenberg, prepara o envio de grupos táticos adicionais que já estão na Estônia, Letônia, Lituânia e Polônia.

"Espero que os líderes estejam de acordo com o fortalecimento da posição da aliança em todos os domínios (...) O primeiro passo é o envio de quatro novos grupos de combate para Bulgária, Hungria, Romênia e Eslováquia", afirmou Stoltenberg.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Nessa cúpula, os líderes da Otan buscam reafirmar o apoio à Ucrânia com gestos concretos.

De acordo com Stoltenberg, a Otan espera aprovar "suporte adicional, incluindo assistência em cibersegurança, assim como equipamentos para ajudar a Ucrânia a se proteger de ameaças químicas, biológicas, radiológicas e nucleares".

Na terça-feira, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse em Washington que a possibilidade de um ataque russo com armas químicas na Ucrânia é uma "ameaça real".

Stoltenberg afirmou que o uso de armas nucleares "mudará fundamentalmente a natureza do conflito. A Rússia deve entender que nunca se deve travar uma guerra nuclear e que nunca se pode ganhar uma guerra nuclear".

Para o chefe da aliança atlântica, "a Rússia deve cessar suas ameaças nucleares. Isso é perigoso e irresponsável".

Nesse cenário, Stoltenberg também fez uma advertência à China, acusando-a de contribuir para divulgar "mentiras" preparadas pela Rússia.

"A China forneceu apoio político à Rússia, inclusive por meio da divulgação de mentiras descaradas e de desinformação. Os aliados se preocupam que a China forneça apoio material à invasão russa", disse.

Por conta disso, os líderes da aliança militar devem "fazer um apelo à China para que cumpra suas responsabilidades como membro do Conselho de Segurança da ONU e se abstenha de apoiar o esforço de guerra" russo na Ucrânia.

ahg/pc/tt/aa

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Leia Mais.

Aceitar