Logo O POVO+

Jornalismo, cultura e histórias em um só multistreaming.

Participamos do

Rússia violou integridade territorial da Ucrânia, diz Secretário-geral da ONU

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas, António Guterres, afirmou nesta quarta-feira, 23, que a Rússia "violou a integridade territorial da Ucrânia", pelo fato de que o presidente russo, Vladimir Putin, reconheceu a independência de duas províncias no leste ucraniano. Durante discurso em sessão da Assembleia Geral da ONU para tratar do caso, a autoridade pediu um cessar-fogo entre as partes e que possa haver negociações diplomáticas para resolver o assunto.

Guterres qualificou o caso como a "mais séria crise de segurança global dos últimos anos" e notou que há "duas narrativas opostas" no caso. Para ele, de qualquer modo, "está claro" que Moscou violou a soberania ucraniana com seu anúncio. Guterres comentou ainda que o mundo enfrenta um "momento de perigo" no episódio e disse temer que o confronto se expanda e ganhe escala e gravidade.

Ministro pede pressão contra a Rússia

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

O Ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba afirmou hoje que seu país não tem nenhum plano de realizar uma ofensiva militar na região de Donbass, no leste do país e que inclui as duas províncias reconhecidas como independentes pela Rússia, Donetsk e Luhansk.

Durante sessão da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas sobre a crise no país, Kuleba pediu que a comunidade internacional pressione Moscou a recuar e disse que o presidente russo, Vladimir Putin, só poderia ceder se for alvo de pressões do tipo.

Segundo o ministro ucraniano, Kiev tem reforçado suas defesas apenas por causa das "ameaças e ações" do vizinho. "A Rússia precisa retirar suas tropas do Estado soberano da Ucrânia", afirmou ele, dizendo que os ucranianos ainda têm "esperança na paz, que a diplomacia prevaleça".

Kuleba pediu "medidas concretas e resolutas da ONU e da comunidade internacional" para conter a Rússia e considerou que "estamos em um momento crucial da história do mundo". Ele pediu que não sejam cometidos "erros como no passado", traçando como paralelos os anos anteriores à Primeira e à Segunda Guerras. "Não há tarefa mais importante hoje que não repetir os erros do passado", disse, pedindo que a comunidade internacional possa "evitar uma nova catástrofe na Europa".

O ministro disse ainda que a Rússia já exige atualmente, na prática, praticamente o fechamento dos portos ucranianos, "sob o pretexto de fazer exercícios militares".

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar