Participamos do

Com redução de lotações e vacinação, Peru busca conter terceira onda de pandemia

09:05 | Jan. 06, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

O Peru, país com maior taxa de mortalidade por covid-19, busca conter a terceira onda da pandemia com redução de lotações, vacinação e testes, enquanto tenta evitar infecções em massa.

Na quarta-feira, o governo reduziu para 40% a capacidade dos shoppings, restaurantes e espaços fechados em 24 províncias do país, incluindo Lima classificada como de alto índice de contágios. Também prorrogou o toque de recolher entre 23h e 4h.

"Apelo à população para que continue a adotar medidas de biossegurança, respeite aferição e distanciamento", disse a chefe de gabinete, Mirtha Vásquez, em entrevista coletiva.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

"Estamos enfrentando essa onda com 80% de vacinados, porém a variante (ômicron) que chegou ao Peru é mais contagiosa", acrescentou Vásquez após conselho de ministros.

O país andino registrou 8.687 novos casos confirmados em um dia na quarta-feira, o maior número em oito meses.

O Ministério da Saúde confirmou na terça-feira que o país vive uma nova onda da pandemia depois do Réveillon e do Natal.

As infecções se devem à disseminação da ômicron na capital Lima, Callao e em diferentes regiões do país, incluindo Arequipa, Junín, Ica, Pasco, Apurímac, Huancavelica, Ayacucho.

Sob o calor do verão de Lima, centenas de pessoas com sintomas formavam longas filas desde a madrugada para se testar e se vacinar.

"Minha esposa amanheceu com dor de garganta e um pouco de febre, então a trouxe para fazermos o teste", contou à AFP Alí Ayala, 59, em frente a um posto de saúde da capital.

"Tive febre e dor de cabeça nos últimos dias e me automediquei. Por causa do pânico, as pessoas não sabem o que fazer, nem a quem recorrer. Os hospitais sequer te aceitam", lamentou a estudante Isabel Román, 21.

O governo anunciou que irá reforçar o primeiro nível de atendimento hospitalar para atender à terceira onda da pandemia no país. Em dezembro, as infecções no Peru dobraram para 1.500 novos casos diários, e ontem esse número subiu para 5.100, 309 relacionados à Ômicron.

Segundo dados oficiais, "mais de 90% das mortes" ocorridas entre julho e dezembro de 2021 foram de pessoas não vacinadas, afirmou o ministro da Saúde, Hernando Cevallos. Ele destacou o reforço da campanha de vacinação, que atinge 80% da população-alvo, e indicou que no fim do mês terá início a vacinação de crianças de 5 a 11 anos.

O governo prorrogou até 31 de janeiro o estado de emergência em vigor há 21 meses devido à pandemia. O país, de 33 milhões de habitantes, registra a maior taxa de mortalidade do mundo, com 6.122 óbitos por milhão de habitantes, segundo um balanço da AFP com base em números oficiais.

O Peru soma mais de 2 milhões de casos de covid-19 e mais de 202.900 mortos desde o começo da pandemia.

cm/et/dl/lb/jc

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags