Participamos do

Putin e Biden alertam para "ruptura diplomática" em meio a tensões na Ucrânia

00:00 | Jan. 01, 2022
Autor DW
Tipo Notícia

Líder russo diz que sanções do Ocidente em retaliação a suposta intervenção na Ucrânia poderão resultar em rompimento. Americano promete “resposta decisiva” no caso de uma ação militar de Moscou em solo ucraniano.Os presidentes dos Estados Unidos, Joe Biden, e da Rússia, Vladimir em videoconferência nesta quinta-feira (30/12). Putin alertou seu colega americano que possíveis sanções como punição pela interferência russa no território ucraniano poderão levar a uma ruptura dos laços diplomáticos entre Moscou e Washington. Nos últimos meses, a Rússia deixou o Ocidente em alerta ao acumular dezenas de milhares de soldados próximo à sua fronteira com a Ucrânia. Moscou nega que tenha intenções de invadir o país vizinho e reafirmou o direito de posicionar suas tropas dentro de seu território. Os Estados Unidos ameaçaram impor sanções devastadoras no caso de uma agressão militar russa à Ucrânia, algo que, segundo o assessor do Kremlin Yuri Ushakov foi repetido por Biden na conversa desta quinta-feira. "Nosso presidente respondeu imediatamente que, se o Ocidente decidir, nas atuais ou em quaisquer outras circunstâncias, impor tais sanções sem precedentes, isso poderá levar a uma ruptura completa dos laços entre nossos países e causar graves danos às relações entre a Rússia e o Ocidente”, disse o assessor. Segundo Ushakov, Putin disse que este seria "um equívoco que nossos descendentes iriam ver como um enorme erro”. Em meio a preocupações com ações ocidentais para fortalecer militarmente a defesa da Ucrânia, Moscou exige garantias de segurança quanto a uma possível expansão do poderio militar da Otan no Leste Europeu. Biden promete "resposta decisiva” Apesar da resposta de Putin em tom de ameaça, Ushakov disse que o líder russo ficou satisfeito com a conversa. Ele disse que Biden aparentou concordar com a necessidade de fornecer tais garantias a Moscou, e demonstrou seriedade em relação a futuras negociações no caso de as diferenças prevalecerem. O assessor do Kremlin disse que a conversa criou uma atmosfera positiva antes das conversações entre a Rússia e os EUA marcadas para 9 e 10 de janeiro em Genebra e para o dia 12 em Bruxelas. Outra reunião, sob os auspícios da Organização para a Segurança e Cooperação da Europa (OSCE), ocorrerá em Viena, no dia 13 do mesmo mês. A porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, disse que Biden reiterou que avanços substanciais nesses diálogos poderão ocorrer somente em um ambiente de redução das tensões, e não o contrário. O líder americano "deixou claro que os Estados Unidos e seus aliados e parceiros responderão de maneira decisiva no caso de uma futura invasão da Ucrânia pela Rússia”, disse a porta-voz. Assessores dos dois líderes descreveram como sério o tom da conversa, mas disseram que nenhum dos lados demonstrou progressos significativos rumo a uma solução. As possíveis sanções incluiriam medidas que iriam desconectar efetivamente a Rússia do sistema econômico e financeiro global, além resultarem no reforço do poderio militar da Otan. Crise na fronteira Em 2014, a Rússia se aproveitou da instabilidade política na Ucrânia e anexou a Península da Crimeia, que era parte integral do território ucraniano. No mesmo ano, Moscou passou a apoiar grupos separatistas no Leste da Ucrânia, que ainda controlam grande parte da região. Nos últimos meses, a Rússia vem realizando exercícios militares na fronteira com a Ucrânia, incluindo treinamentos de defesa contra ataques aéreos. Segundo estimativas, entre 60 mil e 90 mil soldados russos estão estacionados há semanas na fronteira. Isso gerou temores de que a Moscou planeje um ataque ao país vizinho, algo que o Kremlin tem negado repetidamente. A Rússia vem pressionando a Otan e o Ocidente com uma série de exigências, propondo um veto russo à admissão de futuros membros da Otan, em vista de uma possível entrada da Ucrânia na aliança militar. Os Estados Unidos, entre outros, rejeitaram a proposta do Kremlin. Além disso, a Rússia pediu à Otan que retire seus batalhões multinacionais da Polônia e dos estados bálticos Estônia, Letônia e Lituânia. O presidente russo, Vladimir Putin, disse que a Rússia tomaria as medidas "retaliatórias apropriadas" em resposta ao que chamou de "postura agressiva" do Ocidente. rc (Reuters, AFP)

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente