Participamos do

General acusado de tortura é eleito para chefiar Interpol

00:01 | Nov. 26, 2021
Autor DW
Tipo Notícia

Ahmed Naser al-Raisi, dos Emirados Árabes Unidos, é o novo presidente do órgão internacional de cooperação policial. Organizações de direitos humanos alertaram contra eleição de acusado de tortura e prisões arbitrárias.O general Ahmed Naser al-Raisi, dos Emirados Árabes Unidos, que é acusado de estar envolvido em torturas e prisões arbitrárias, foi eleito nesta quinta-feira (25/11) presidente da Interpol, durante a assembleia-geral anual do organismo internacional de cooperação policial, em Istambul. Os estatutos da Interpol concedem ao presidente um papel sobretudo honorífico, e o real responsável é o secretário-geral, Jürgen Stock, que foi reeleito em 2019 para um segundo mandato de cinco anos. Outro candidato polêmico, Hu Binchen, do Ministério da Segurança Pública da China, foi eleito para o comitê executivo. Ele teve o apoio da China, que é acusada de usar a Interpol para perseguir dissidentes exilados. Alertas contra a candidatura Várias organizações de defesa dos direitos humanos, entre elas a Human Rights Watch, e legisladores europeus haviam alertado contra a candidatura de Al-Raisi por considerar que ela afeta a missão da Interpol. Eles afirmam que o general é um dos responsáveis policiais máximos dos Emirados Árabes Unidos, um país que usa métodos repressivos contra dissidentes políticos. O ex-procurador inglês David Calvert-Smith publicou em abril um relatório afirmando que Al-Raisi "coordenou o aumento da repressão contra os dissidentes" através de práticas de tortura e de abusos do sistema judicial dos Emirados Árabes Unidos. Três eurodeputados, entre eles a presidente da subcomissão de Direitos Humanos, Marie Arena, alertaram a Comissão Europeia de que a eleição de Al-Raisi afetaria a missão e a reputação da Interpol. "Não é um bom sinal" O parlamentar alemão Peter Heidi, do Partido Liberal Democrático (FDP), declarou à DW que a eleição de Al-Raisi "não é um bom sinal para a Interpol". Ele disse haver temores de que a sede da Interpol seja deslocada da França para Abu Dhabi. "Sabemos que a Interpol necessita de dinheiro, e os Emirados Árabes Unidos deram dinheiro à Interpol e vão continuar fazendo isso. Eu acho que seria melhor se a Interpol recebesse dinheiro de todos os países-membros e não necessitasse de dinheiro de outros países, como um presente", comentou. Acusações de tortura Al-Raisi é acusado de tortura e é alvo de processos criminais em cinco países, incluindo a França, onde fica a sede da Interpol, e a Turquia, onde foi realizada a eleição. Advogados de dois cidadãos britânicos apresentaram uma denúncia formal contra Al-Raisi por tortura. Um deles, o estudante de doutorado Matthew Hedges, que chegou a ser condenado à prisão perpétua nos Emirados Árabes Unidos, acusado de espionagem, foi indultado e libertado há três anos. O outro é Ali Issa Ahmad, que acusa as autoridades de segurança dos Emirados Árabes Unidos de tortura durante um torneio de futebol, em 2019. A organização Centro de Direitos Humanos para o Golfo interpôs uma denúncia contra Al-Raisi na França, país onde se encontra a sede da Interpol, em Lyon, alegando que o ativista político Ahmed Mansur foi alvo de torturas nos Emirados Árabes Unidos. Um escritório de advogados turco apresentou uma denúncia à procuradoria da Turquia contra o general por torturas a Mansur. Al-Raisi concorria ao cargo contra a candidata da República Tcheca, Sárka Havránková, que havia se apresentado com a promessa de "adequar o trabalho da Interpol ao espírito da Declaração Universal dos Direitos Humanos". O presidente da Interpol, eleito para quatro anos, exerce suas funções em tempo parcial e de forma não remunerada, o que ele faz a partir de seu país de origem. as/lf (Lusa, Efe, AFP, AP, DW)

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente