Participamos do

África do Sul identifica nova variante da covid-19

00:01 | Nov. 26, 2021
Autor DW
Tipo Notícia

Autoridades de saúde afirmam que a nova variante representa uma Variante com múltiplas mutações é potencialmente mais contagiosa e estaria por trás do aumento "exponencial" de casos na África do Sul, dizem autoridades. Reino Unido reage rápido e impõe restrições de viagem ao país.Cientistas da África do Sul detectaram uma nova variante do coronavírus Sars-Cov-2 potencialmente mais transmissível e que representa uma "grande ameaça" aos esforços para conter a pandemia, anunciaram autoridades do país nesta quinta-feira (25/11). O ministro da Saúde sul-africano, Joe Phaahla, afirmou que a variante, chamada B.1.1.529, está por trás de um aumento "exponencial" dos casos registrados no país. "É agora uma variante de séria preocupação que está impulsionando o aumento dos números", disse Phaahla em coletiva de imprensa. Na semana passada, a África do Sul registrou em média cerca de 200 novas infecções diárias por covid-19. O número subiu para mais de 1.200 nesta quarta-feira e explodiu para 2.465 nesta quinta. Até agora, virologistas conseguiram identificar quase 100 casos ligados à nova variante no país. O Reino Unido foi rápido em introduzir restrições de viagem à África do Sul e a cinco países vizinhos, agindo com mais velocidade do que em variantes anteriores. "O que sabemos é que há um número significativo de mutações", disse o secretário britânico de Saúde, Sajid Javid, à imprensa local. "E isso sugere que ela pode ser mais transmissível e que as vacinas que temos hoje podem ser menos eficazes." O Reino Unido proibiu temporariamente voos partindo da África do Sul, Namíbia, Botsuana, Zimbábue, Lesoto e Suazilândia a partir desta sexta-feira. Já os viajantes britânicos que retornam desses países devem fazer quarentena ao retornar. O que se sabe sobre a variante? A B.1.1.529 possui múltiplas mutações. Segundo os cientistas, isso ajuda o vírus a driblar a resposta imunológica do corpo humano e a torná-lo mais transmissível. "Embora os dados sejam limitados, nossos especialistas estão trabalhando para além do horário com todos os sistemas de vigilância estabelecidos para entender a nova variante e quais seriam as possíveis implicações", afirmou Adrian Puren, diretor executivo interino do Instituto Nacional de Doenças Transmissíveis da África do Sul. Enquanto a variante delta possui duas mutações e a variante beta – originária da África do Sul – possui três, a B.1.1.529 teria pelo menos 32 mutações da proteína spike. Christina Pagel, diretora da Unidade de Pesquisa Operacional Clínica da University College de Londres (UCL) e importante especialista britânica em covid-19, chamou a nova variante de "extremamente preocupante". Pessoas mais jovens parecem estar contraindo e espalhando a variante recém-identificada. Cientistas afirmam, porém, que as próximas semanas serão essenciais para determinar a gravidade e as características de transmissão da cepa. A nova variante já foi detectada na província mais populosa da África do Sul, Gauteng, onde as cidades de Joanesburgo e Pretória estão localizadas. François Balloux, diretor do Instituto de Genética da UCL, afirmou em comunicado que a B.1.1.529 pode estar presente também em outras partes da África. "Por enquanto, ela deve ser monitorada e analisada de perto, mas não há razão para se preocupar excessivamente, a menos que comece a aumentar sua incidência em um futuro próximo", disse. Acredita-se que até 90% dos novos casos na província de Gauteng sejam da B.1.1.529, disseram os cientistas. África do Sul pede reunião com OMS A África do Sul pediu ao grupo de trabalho voltado a estudar a evolução do vírus na Organização Mundial da Saúde (OMS) para que seja realizada uma reunião urgente na sexta-feira a fim de discutir a nova variante. Pesquisadores da Rede de Vigilância Genômica na África do Sul afirmaram que testes PCR atuais foram capazes de detectar a variante, que também foi encontrada em Botsuana e Hong Kong em pessoas que partiram da África do Sul. No ano passado, o país africano foi o primeiro a detectar a variante beta, uma das quatro cepas classificadas como "variantes preocupantes" pela OMS com base em evidências de que elas são mais contagiosas e que as vacinas são menos eficazes contra elas. Resistência à vacina A África do Sul é o país com os maiores números de covid-19 na África, somando 2,95 milhões de casos de infecção desde o início da pandemia e quase 90 mil mortes. Enquanto isso, apenas 35,2% da população adulta está totalmente vacinada. Mas não é por falta de doses. No início da semana, as autoridades de saúde sul-africanas pediram à empresa Johnson & Johnson para que suspenda a entrega de vacinas ao país, pois já há estoque suficiente. O ministro da Saúde Phaahla afirmou que o número de cidadãos que procuram a vacina está caindo e que o país não está conseguindo atingir a meta de 250 mil vacinações por dia. ek (AP, Reuters, AFP)

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente