Participamos do

EUA: reguladora investiga sistema de piloto automático da Tesla após acidentes

21:43 | Ago. 16, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia
Os reguladores de segurança automotiva dos Estados Unidos estão investigando o sistema avançado de assistência ao motorista da Tesla, conhecido como Autopilot, após uma série de acidentes em cenas de emergência. O processo, tornado público hoje, é o mais recente sinal de que as autoridades dos EUA estão começando a examinar mais de perto as tecnologias de assistência ao motorista, depois de dar rédea solta às empresas. Hoje, as ações da Tesla recuaram mais de 4% em Nova York.
A agência responsável pela investigação disse que identificou 11 acidentes desde o início de 2018 nos quais um veículo da Tesla que usava o Autopilot atingiu um ou mais veículos envolvidos em uma situação de resposta de emergência.
Quatro dos acidentes aconteceram este ano e a maioria ocorreu após o anoitecer, disse a agência. O sistema de piloto automático em cerca de 765 mil veículos de 2014 a 2021 está sendo avaliado. Essas investigações podem, mas nem sempre, levar a recalls.
O piloto automático foi projetado para ajudar os motoristas em tarefas como dirigir e manter uma distância segura de outros veículos na estrada. A Tesla instrui os motoristas que usam o sistema para prestarem atenção no trajeto e manterem as mãos no volante. No entanto, o sistema foi investigado sobre como alguns motoristas usam a tecnologia de forma inadequada, substituindo as funções de segurança para operar o veículo sem as mãos no volante, por exemplo. Alguns críticos também dizem que o termo piloto automático pode dar aos motoristas uma noção exagerada das capacidades do sistema.
A Tesla recentemente fez um recall de mais de 285 mil veículos na China para resolver um problema de segurança relacionado ao controle de cruzeiro. Nos EUA, a Tesla concordou no início deste ano em recolher cerca de 135 mil veículos dos Modelos S e X por causa de falhas na tela de toque. A empresa disse na época que discordava que o problema constituía um defeito nos veículos, mas que estava indo em frente com um recall no interesse da experiência do cliente.
Fonte: Dow Jones Newswires.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags