Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

China coloca milhões em confinamento para conter variante Delta

Autor - Agência Estado
Foto do autor
- Agência Estado Autor
Tipo Notícia

A China voltou a isolar seus habitantes, enquanto enfrenta seu maior surto de covid-19 em meses, com a variante Delta se espalhando por regiões que há muito haviam controlado o vírus, incluindo Wuhan, epicentro original da pandemia.
Mais contagiosa, a variante Delta quebrou as defesas do país, atingindo mais de 20 cidades e uma dezena de províncias. Embora o número total de infecções -- 452 no balanço mais recente -- ainda seja menor do que o registrado em outros países, os dados indicam que a variante está se movendo rapidamente pelo país.
No sábado, a província de Fujian e a cidade de Congquing, de 31 milhões de habitantes, registraram surtos epidêmicos de coronavírus. Nesta segunda-feira, 2, a China confirmou 99 novos casos, 55 por transmissão local. No final do dia, mais sete pessoas foram encontradas infectadas em Wuhan, além de outra em Pequim.
Em número de casos, este é o maior surto desde uma irrupção na província de Hebei, no norte da China, em janeiro, quando 2 mil pessoas foram infectadas.
A ampla disseminação é ainda mais preocupante dado o aumento de casos na capital altamente protegida e em Wuhan, cujo status de livre de vírus tem sido motivo de orgulho na China. Os sete novos casos são os primeiros desde que a China colocou sua onda original sob controle ao bloquear a cidade de cerca de 11 milhões de habitantes e a província de Hubei.
"Os sete foram identificados como trabalhadores migrantes", informou a agência oficial de notícias Xinhua, citando funcionários de prevenção e controle da covid-19.
Pang Xinghuo, vice-diretor do Centro de Prevenção e Controle de Doenças de Pequim, implorou aos visitantes da cidade que entrem em contato com as autoridades se tiverem vindo de áreas de alto risco ou tido contato próximo com alguém infectado. As autoridades também pediram aos residentes que restringissem suas viagens.
"Surtos de aglomerados ocorreram um após o outro em todo o país e vários casos foram relatados em Pequim, levando a uma fase crítica em nossa resposta à epidemia", disse Pang. "Não podemos deixar escapar um único fio de risco e perigo oculto."
A infecção inicial do delta chegou por meio de um voo internacional de Moscou para a cidade de Nanjing, no leste da China, em meados de julho, e se espalhou para um grupo de funcionários de limpeza do aeroporto. Em poucas semanas, os casos também surgiram em lugares tão distantes quanto a ilha de Hainan, no sul da China, a 1900 km de Nanjing.
Os governos das principais cidades, incluindo Pequim, organizaram testes para milhões de pessoas, ao mesmo tempo que isolaram áreas residenciais e colocaram em quarentena pessoas que tiveram contato com infectados.
A cidade de Zhuzhou (centro), na província de Hunan, ordenou nesta segunda-feira a mais de 1,2 milhão de pessoas que permaneçam em casa sob um isolamento rígido durante os próximos três dias, enquanto coloca em prática uma campanha de teste e vacinação em toda a localidade. "A situação continua sendo sombria e complicada", afirmou o governo de Zhuzhou.
Em Zhangjiajie, uma cidade turística próxima de Zhuzhou, foi registrado um foco no mês passado entre os espectadores de um teatro, que depois levaram o vírus para suas casas em todo o país. Zhangjiajie determinou o confinamento de seus 1,5 milhão de habitantes na sexta-feira.
Pequim bloqueou a entrada de turistas durante a temporada de viagens de verão no Hemisfério Norte.
Nesta segunda-feira também foram registrados novos casos em Hainan, um popular destino turístico, assim como na província de Henan, devastada pelas inundações, informaram as autoridades de saúde do país.
A taxa de vacinação da China está perto de 60%, uma das mais altas do mundo, mas ainda não se sabe se as vacinas desenvolvidas localmente no país podem retardar a propagação da variante Delta. (Com agências internacionais)
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Covid-19: Pfizer entregará 17,6 milhões de doses até 22 de agosto

Saúde
18:53 | Ago. 02, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O consórcio formado pelas farmacêuticas Pfizer e BioNTech informou nesta segunda-feira (2) que entregará 17,6 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 até o dia 22 de agosto. Neste mês foram disponibilizadas 2,1 milhões de doses.

As doses serão trazidas em voos de Miami, nos Estados Unidos, para o aeroporto de Viracopos, em Campinas, em São Paulo.  

A previsão do Ministério da Saúde é que o consórcio repasse, no total, 33,3 milhões de doses de imunizantes contra a covid-19 em agosto. Após o dia 22 a Pfizer e a BioNTech devem encaminhar ao Ministério da Saúde os 13,6 milhões de doses restantes dos lotes do mês.  

Para setembro, o acordado com a pasta é que sejam enviadas mais 37,4 milhões de doses. Para o último trimestre do ano a perspectiva é que o consórcio repasse mais 100 milhões de doses.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

EUA: 70% dos adultos tomaram ao menos uma dose de vacina contra covid-19

INTERNACIONAL
18:28 | Ago. 02, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A força-tarefa da Casa Branca para a covid-19 informou que 70% da população adulta nos Estados Unidos já tomou ao menos a primeira dose da vacina contra a doença causada pelo coronavírus. Nos últimos sete dias, foram 3 milhões de vacinados, conforme divulgado na coletiva à imprensa nesta segunda-feira, 2. Especialistas reiteram, porém, a importância de que os cidadãos tomem a segunda dose e que os outros 30% se vacinem.
"Uma pessoa infectada com a cepa Delta do coronavírus pode contaminar outras duas que não estejam vacinadas. Com a variante delta, esse número sobe para cinco", disse a Diretora dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), Rochelle Wolensky. Ela reforçou, mais uma vez, que os EUA vivem uma pandemia entre não vacinados.
O epidemiologista Anthony Fauci disse ser esperado que, mesmo com as altas taxas de vacinação, haja surtos de infecções. A diferença, entretanto, é que a maior parte dessas serão assintomáticas, sem causar hospitalização ou casos de morte.
A Casa Branca também anunciou que os funcionários federais deverão apresentar comprovação de vacina contra a covid-19. Os que não o fizerem terão de usar máscaras, cumprir regras de distanciamento social e fazer teste duas ou três vezes na semana. O coordenador da força-tarefa, Jeff Zients, cumprimentou o Walmart, Disney e Google por exigirem as vacinas entre seus funcionários. "Há dúzias de outras empresas fazendo o mesmo, a fim de proteger seus colaboradores".
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Covid-19: DF flexibiliza restrições e vai vacinar quem tem 30 anos

Saúde
17:54 | Ago. 02, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O Governo do Distrito Federal (GDF) anunciou hoje (2) uma nova flexibilização das medidas de restrição adotadas em função da pandemia do novo coronavírus. O governo promete a publicação de novo decreto amanhã, autorizando atividades que estavam proibidas.

Ficam permitidos a partir de amanhã eventos gastronômicos e cívicos. Neste último grupo entra, por exemplo, o desfile de comemoração do 7 de setembro. Segundo o secretário da Casa Civil do DF, Gustavo Rocha, com a autorização cabe agora ao governo federal a decisão ou não sobre a realização do evento.

No caso de cultos, missas e rituais o novo decreto reduzirá a distância mínima definida entre os participantes. O limite, que até agora era de 1,5 metro entre cada pessoa, passará a ser de 1 metro pelo menos.

Nas competições profissionais, foi alterado o tempo de realização do exame de laboratório RT-PCR, cujo resultado negativo é condição para acesso às partidas. A partir da nova norma será preciso apresentar teste negativo com até 72 horas, em vez de 48 horas.

No mês passado, o GDF autorizou a realização de um jogo do Flamengo pela Copa Libertadores com público. Não haverá mais proibição da presença nessas competições de menores de 18 anos e gestantes. A capacidade máxima, até então de 25%, será ampliada para 30%.

Vacinação

Em entrevista coletiva, secretários do GDF também confirmaram a vacinação de pessoas com idades a partir de 30 anos a partir de amanhã. Serão disponibilizadas 170 mil doses, que serão aplicadas em 79 pontos de vacinação, cuja localização foi disponibilizada no site da Secretaria de Saúde.  

O secretário da Casa Civil também informou que o DF começará a vacinar adolescentes, na faixa de 12 a 17 anos, com comorbidades e com autismo. O cadastramento deste público começou hoje. O agendamento terá início amanhã, apenas para adolescentes com síndrome de down e autismo, inicialmente.

A aplicação das doses nesse público ocorrerá na quinta-feira e sexta-feira. Serão disponibilizadas três mil doses. No caso de pessoas com síndrome de down, não será preciso levar laudo médico.

Já para adolescentes com autismo, será necessário apresentar laudo apenas se a pessoa não tiver feito algum atendimento na rede pública do DF nos últimos 12 meses. Quem tiver dificuldade de acesso à internet para realizar o cadastramento e agendamento pode procurar uma Unidade Básica de Saúde.

De acordo com Gustavo Rocha, a vacinação das faixas a partir de 30 anos e de adolescentes com comorbidades foi impulsionada com o recebimento de uma quantidade a mais de doses. O DF vinha reclamando que as remessas estavam aquém e chegou a ingressar com uma ação no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

O secretário da Casa Civil declarou que o Ministério da Saúde enviará 290 mil doses adicionais. Desse quantitativo, 90 já foram encaminhadas no último fim-de-semana. O avanço para novas faixas etárias será divulgado à medida que novos lotes sejam recebidos pela Secretaria de Saúde.

Também estão disponíveis vacinas da “repescagem” para professores. O GDF tem disponibilizado doses para a categoria em razão do retorno das aulas presenciais, a partir desta segunda-feira no caso da rede pública.

Durante a entrevista coletiva, Rocha informou que 195,1 mil pessoas tomaram a segunda dose em julho. O público que recebeu a primeira dose e deveria ter tomado a segunda no mês passado era de 213,2 mil. O secretário ressaltou a importância de todos que tomaram a primeira dose e já podem tomar a segunda que completem o ciclo vacinal.

Rocha acrescentou que o GDF está identificando algumas pessoas que compareceram para tomar uma terceira dose. Esses casos estão sendo repassados ao Ministério Público para apuração e eventual responsabilização.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

EUA: não vamos voltar aos lockdowns de março de 2020, já fizemos muito progresso

INTERNACIONAL
17:47 | Ago. 02, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, reforçou, em coletiva à imprensa, que os Estados Unidos não devem entrar em lockdowns como os vistos no auge da pandemia, em março do ano passado. "Já fizemos muito progresso na vacinação, muito progresso na economia", disse a porta-voz. Ela também reforçou que o governo tomará suas decisões com base na ciência e na avaliação de especialistas da saúde pública.
De acordo com Psaki, 20% dos casos nos Estados Unidos estão concentrados na Flórida. A porta-voz frisou a necessidade de incentivar que pessoas se vacinem e usem máscaras conforme orientação de autoridades médicas.
Questionada, ela afirmou que o governo americano ainda não tem previsão para revogar restrições a viajantes internacionais. Psaki disse não ter atualizações sobre essa decisão, mas que há discussões ocorrendo com autoridades oficiais.
No início da coletiva, o economista Gene Sperling, que coordena o aplicação do pacote fiscal aprovado em março pelo governo americano, afirmou que o presidente Joe Biden tem trabalhado para estender a moratória federal de despejo, mas ainda não conseguiu autoridade legal para fazê-lo.
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Escolas de São Paulo podem receber presencialmente 100% dos estudantes

Educação
17:24 | Ago. 02, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A partir de hoje (2), as escolas estaduais, municipais e particulares do estado de São Paulo estão autorizadas a retornar às aulas presenciais, podendo atender até 100% dos estudantes. As aulas foram suspensas pelo governo paulista no início da pandemia, em março do ano passado. No início deste ano, as aulas foram retomadas, mas havia limite de 35% na capacidade de ocupação.

A volta presencial a partir de hoje ainda não será obrigatória. A expectativa é de que a obrigatoriedade passe a valer a partir de setembro. Segundo a Secretaria Estadual da Educação, caso o estudante ou sua família queiram permanecer com as aulas remotas ou online, o responsável legal deverá comunicar, por escrito, à unidade escolar, comprometendo-se a manter a frequência do aluno de forma digital.

As escolas vão poder atender 100% dos alunos desde que seja obedecido o limite de um metro de distanciamento entre eles. Cada escola ficará responsável por estabelecer esse limite de acordo com a sua capacidade física. Se a escola não puder receber a totalidade dos alunos de forma presencial, ela poderá adotar um sistema de revezamento.

Rede estadual

Só na rede estadual de ensino há 3,5 milhões de esrtudantes, que serão obrigados a usar máscara no interior da escola. Segundo a Secretaria Estadual da Educação, ao chegarem às escolas todas as pessoas terão a temperatura aferida e, caso esteja acima de 37,5 graus, será orientado a retonaro para casa. Os protocolos também incluem higienização frequente das mãos com água e sabão ou álcool em gel 70% e dos ambientes e ambientes arejados com portas e janelas abertas. Os especialistas dizem que os aspectos mais importantes a serem adotados para evitar a transmissão do novo coronavírus (covid-19) são a ventilação e o uso de máscaras.

Já os professores e servidores deverão voltar às aulas presenciais, sem revezamento. Mas no caso daqueles com comorbidades, só voltarão às aulas presenciais 14 dias após a aplicação da segunda dose das vacinas Oxford/AstraZeneca/Fiocruz, Pfizer/BioNTech ou CoronaVac/Butantan/Sinovac ou dose única, no caso da vacina da Janssen.

A secretaria informou que os servidores e colaboradores que, por escolha pessoal, optarem por não se vacinar dentro do calendário local também deverão retornar.

Rede municipal

Na rede municipal de ensino, o limite de atendimento vai respeitar a capacidade física de cada unidade, mantendo o distanciamento de um metro entre os alunos. Segundo a Secretaria Municipal da Educação, todos os estudantes matriculados na educação infantil e no ensino fundamental e médio poderão ser atendidos na forma presencial e em sistema de revezamento semanal em no máximo duas turmas. Já nos Centros de Educação Infantil (CEI), poderão ser atendidas 60% das crianças e bebês matriculados, sem revezamento. A exceção é para os estudantes que compõem o grupo de risco. Nesse caso, eles devem permanecer em ensino remoto.

Por enquanto, a volta às aulas presenciais na rede municipal de São Paulo é facultativa, a critério dos pais ou responsáveis.

A orientação da prefeitura de São Paulo é para que as pessoas com qualquer sintoma da covid-19 procure auxílio médico e não compareça à unidade escolar.

Também a partir de hoje, os estudantes da rede municipal terão acesso às atividades de recuperação. Os estudantes com mais defasagem na aprendizagem em relação ao ano ou série em que estão matriculados vão participar da recuperação paralela no contraturno escolar.

Sociedade de Pediatria

Por meio de nota, a Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP) disse que os pais não precisam ficar temerosos em mandar seus filhos para as escolas neste momento da pandemia. Segundo a entidade, pesquisas têm demonstrado que as crianças não são grandes transmissoras do vírus e não costumam evoluir de forma grave.

“A pandemia de covid-19 tem afligido todo o planeta e tem sido especialmente grave em nosso país, com mais de meio milhão de brasileiros perdendo suas vidas precocemente. Não obstante a isto, o número de crianças afetadas de forma grave e que evoluíram de maneira desfavorável foi relativamente pequeno”, disse Fausto Flor de Carvalho, presidente do Departamento de Saúde Escolar da Sociedade de Pediatria de São Paulo.

“As pesquisas realizadas no Brasil e no exterior têm demonstrado que crianças não são grandes espalhadoras do vírus, que costumam ter quadros leves a moderados e quase metade delas são assintomáticas”, explicou

Para Carvalho, a ausência das aulas presenciais tem provocado outros danos às crianças, como distúrbios alimentares e de relacionamento interpessoal (distanciamento dos amigos e contato apenas com adultos), além da dificuldade de concentração. “Assim, cremos que é momento adequado para retomada de aulas presenciais. Os pais devem trabalhar com os filhos sobre as medidas de proteção e devem estar em contato com a escola. Qualquer sintoma respiratório a criança deve ser afastada e procurar o serviço médico para diagnóstico. Uma boa comunicação entre pais, escolas e profissionais da saúde vai colaborar para uma volta mais segura e com mínimos riscos a todos”, disse.

Já o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) é contra a volta às aulas neste momento. Para o sindicato, a volta as aulas presenciais só deveria ocorrer após os professores terem tomado a segunda dose da vacina contra a covid-19. “Mais do que ninguém sabemos que o lugar dos professores e estudantes é nas escolas, mas não é este o momento”, diz o sindicato.

“O processo de vacinação dos profissionais da educação e da população está em curso. Portanto, não existe o menor sentido no retorno às aulas presenciais em agosto. Há professores que só receberão a segunda dose da vacina em setembro. Apenas após a vacinação de todos com a segunda dose e a garantia de todos os protocolos sanitários para garantir a manutenção do controle da pandemia é que poderemos retornar às escolas”, disse o sindicato em comunicado publicado em seu site.

Escolas particulares

Segundo o Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino no Estado de São Paulo (Sieeesp), há cerca de 12 mil escolas particulares no estado, com 2,4 milhões de alunos no ensino básico. Nas escolas particulares, de acordo com o sindicato, as aulas presenciais ocorrem desde março. Mas até então, havia limite de 35% sobre o número de matrículas. A partir de hoje, após um período de férias, as escolas particulares estão retornando as aulas presenciais, podendo atender até 100% dos alunos, desde que mantido o limite de distanciamento físico entre eles.

"As escolas particulares seguem todos os protocolos recomendados pelo Plano São Paulo [plano de reabertura econômica do estado em vigência durante a pandemia], das autoridades de saúde e educação e o próprio protocolo do Sieeesp, elaborado por médicos, pediatras e especialistas", disse o sindicato.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags