PUBLICIDADE
Mundo
NOTÍCIA

Perseguindo opositores, Nicarágua prende jornalista e esposa de ex-presidente

09:55 | 22/06/2021

A ex-deputada de oposição María Fernanda Flores, esposa do ex-presidente da Nicarágua Arnoldo Alemán, e o jornalista Miguel Mendoza, crítico ao governo de Daniel Ortega, foram presos na noite desta segunda-feira, 21, por "crimes contra a soberania", informou a Polícia Nacional.

María Fernanda, que foi destituída como deputada no ano passado, foi a primeira a receber um mandado de prisão e "continua em casa sob custódia policial", disseram autoridades. Depois, a Polícia prendeu Mendoza, um jornalista esportivo que usa as redes sociais para publicar comentários políticos contrários ao governo.

Chefiada pelo sogro de Ortega, Francisco Díaz, a Polícia disse em nota que tanto a política quanto o jornalista estão sendo investigados por "comprometer a independência e a soberania" da Nicarágua, além de incitar a interferência estrangeira em assuntos internos e pedir intervenções militares.

O mesmo se aplica a outros 15 opositores detidos a cinco meses das eleições gerais. Alguns deles, como Miguel Mora, preso no domingo, 20, aspiravam à Presidência do país. Ortega, de 75 anos - os últimos 14 no poder de maneira consecutiva -, pode buscar o quarto mandato seguido.

A Polícia argumenta que as prisões são fundamentadas na Lei de Defesa dos Direitos dos Povos à Independência, Soberania e Autodeterminação para a Paz, aprovada em dezembro pela Assembleia Nacional, de maioria sandinista. Promovido pelo Executivo, o texto enumera "traidores do país" e os desqualifica para concorrer a cargos públicos.

Em novembro, antes de ser destituída, María Fernanda foi proibida pela Casa Branca de ingressar nos Estados Unidos devido à sua "participação em importantes atos de corrupção" na Nicarágua. A sanção vale também para seu marido, Arnoldo Alemán, e familiares próximos. Duas semanas depois, ela foi afastada do cargo com 80 votos dos 92 possíveis, incluindo os 72 sandinistas e seus aliados.

Em uma de suas últimas postagens no Twitter, o jornalista Mendoza, por sua vez, chamou o governo Ortega de "pária internacional" e comparou a onda de prisões na Nicarágua com os sequestros ordenados pelo narcotraficante Pablo Escobar "em seus últimos anos de terror".

A Polícia da Nicarágua mantém detidos os candidatos presidenciais da oposição Cristiana Chamorro, Arturo Cruz, Félix Maradiaga e Juan Sebastián Chamorro, além de Miguel Mora, a quem acusam de "traição". Dois ex-vice-chanceleres, dois ex-guerrilheiros dissidentes sandinistas, um ex-dirigente empresarial, um banqueiro, quatro ativistas e dois ex-colaboradores de uma ONG também foram presos nas últimas três semanas sob acusações diversas.

Human Rights Watch

Em relatório de 38 páginas divulgado nesta terça-feira, 22, a ONG Human Rights Watch pediu à Organização das Nações Unidas (ONU) que pressione o presidente nicaraguense a cessar supostos abusos aos direitos humanos, incluindo a perseguição às figuras de oposição. No documento, a entidade disse que as prisões "parecem fazer parte de uma estratégia mais ampla para eliminar a competição política, reprimir a dissidência e abrir caminho para um quarto mandato de Ortega".

A HRW pediu ao Secretário-Geral da ONU, António Guterres, que levante a questão no Conselho de Segurança, dado que a crise crescente poderia "minar a estabilidade na região".

Um porta-voz das Nações Unidas afirmou que Guterres está preocupado com as detenções e com a invalidação de candidaturas de líderes da oposição no país. "O Secretário-Geral exorta mais uma vez as autoridades a respeitarem as obrigações internacionais de direitos humanos e libertarem os líderes políticos e sociais detidos. Ele reitera seu apelo a um acordo amplo sobre medidas para eleições credíveis, participativas e inclusivas em novembro", disse. (Com agências internacionais).