Participamos do

Mianmar tem ao menos 40 mortes em dia de forte repressão a atos contra o governo

22:50 | Mar. 14, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Pelo menos 40 pessoas foram mortas em Mianmar no sábado em um dos piores dias da repressão do governo aos protestos contra o golpe militar de 1.º de fevereiro. De acordo com a Associação de Assistência a Prisioneiros Políticos (AAPP), 22 pessoas foram mortas em Hlaingthaya, um subúrbio industrial da cidade de Yangon, a maior do país, e 16 em outras regiões do município onde eram registradas manifestações. Uma morte ocorreu em Hpakant e outra em Mandalay. Há dezenas de feridos e o total de óbitos pode aumentar.

A TV Myawadday, administrada pelo Exército, disse que as forças de segurança agiram em Hlaingthaya depois que quatro fábricas de roupas e uma de fertilizantes foram incendiadas e cerca de 2 mil pessoas impediram que os carros de bombeiros chegassem até os prédios. Um porta-voz da junta militar que governa o país não quis comentar as ações do sábado.

Segundo a AAPP, desde o início dos protestos, 126 pessoas já morreram. O governo não divulga nenhuma informação sobre mortos em manifestações.

Também houve relatos de ferimentos causados por balas de borracha e tiros em outras regiões de Yangon, incluindo o distrito de Insein. Cenas semelhantes de caos ocorreram ao longo do dia em outras partes do país - com uma pessoa morta a tiros na cidade de Hpakant ao norte e uma mulher morta após ser baleada na cabeça em Mandalay.

A forte repressão veio um dia depois que o vice-presidente em exercício do Comitê de Representação Pyidaungsu Hluttaw - um parlamento paralelo formado por políticos eleitos, mas que foram cassados - pediu que o povo continuasse protestando contra a "ditadura injusta" dos militares. "Este é o momento mais escuro da nação e a luz antes do amanhecer se aproxima", disse Mahn Win Khaing Than, em um vídeo gravado e postado na página do Facebook noite de sábado. "Jamais desistiremos. Nossa missão deve ser cumprida."

Mianmar convive com protestos diários desde que os militares tiraram do poder o líder civil Aung San Suu Kyi. A junta militar que governa o país hoje justifica o golpe alegando fraude eleitoral generalizada nas eleições de novembro, na qual o partido Liga Nacional para a Democracia, de Suu Kyi, obteve uma vitória esmagadora sobre o partido dos militares.

Suu Kyi, vencedora do Nobel da Paz em 1991, está detida desde o golpe e deve retornar ao tribunal hoje. Ela enfrenta pelo menos quatro acusações, incluindo o uso ilegal de rádios walkie-talkie e violação de protocolos de coronavírus.

Comunicado da embaixada da China é alvo de protesto virtual

As fábricas incendiadas no sábado eram financiadas pela China. A embaixada chinesa no país descreveu a situação como "muito grave", mas não fez comentáros sobre as mortes.

"A China insta Mianmar a tomar mais medidas eficazes para impedir todos os atos de violência, punir os perpetradores de acordo com a lei e garantir a segurança da vida e da propriedade de empresas e funcionários chineses em Mianmar", disse o comunicado da embaixada. A página do órgão no Facebook foi bombardeada com comentários negativos sobre a nota.

Christine Schraner Burgener, enviada especial da Organização das Nações Unidas (ONU) para Mianmar, condenou o que chamou de "brutalidade contínua". Ela disse ter "ouvido pessoalmente de contatos em Mianmar relatos dolorosos de assassinatos, maus-tratos a manifestantes e tortura de prisioneiros neste fim de semana".

O Reino Unido, ex-governante colonial de Mianmar, disse estar chocado com o uso de força letal pelas forças de segurança contra inocentes. "Pedimos o fim imediato dessa violência e que o regime militar devolva o poder aos democraticamente eleitos pelo povo de Mianmar", disse o embaixador britânico Dan Chugg. COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags