Participamos do

China pretende vacinar de 70% a 80% da população até meados de 2022

10:40 | Mar. 13, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O chefe do Centro de Controle de Doenças da China, Gao Fu, disse neste sábado que o país pretende vacinar de 70% a 80% de sua população até meados de 2022. Com quatro vacinas aprovadas, a China imunizará até lá entre 900 milhões a 1 bilhão de pessoas, detalhou Fu em entrevista à emissora estatal CGTN. "Esperamos que a China possa assumir a liderança na obtenção da imunidade coletiva no mundo", disse ele.

A imunidade de rebanho ocorre quando uma quantidade suficiente da população tem imunidade, seja por vacinação ou transmissão da infecção. A China administrou 52,5 milhões de doses de vacina até o fim de fevereiro, mas a campanha de vacinação tem sido mais lenta do que em outros países, inclusive nos Estados Unidos, reconheceram especialistas em saúde do governo chinês. O número de doses comprometidas pelo país para outras nações é cerca de dez vezes superior ao distribuído internamente.

Embora as vacinações de emergência estejam em andamento na China, o país demorou a informar se tinha planos de obter imunidade coletiva. Há hoje 17 vacinas contra covid-19 aguardando autorização para realização de testes clínicos. Quatro fabricadas nacionalmente já estão aprovadas: duas da estatal Sinopharm, uma da Sinovac e outra da CanSino.

Na sexta-feira, a China anunciou que dispensaria o teste de covid-19 e a exigência de formulário de saúde para estrangeiros que se candidatam a vistos para Hong Kong, caso tenham sido vacinados com uma vacina chinesa. Além do certificado de vacinação, cidadãos não-chineses precisam fornecer os mesmos documentos solicitados antes da pandemia, segundo o escritório do Ministério das Relações Exteriores em Hong Kong. O país ampliou o grupo de pessoas que podiam se inscrever para uma visita humanitária de emergência, de modo que aqueles que desejam visitar parentes também possam se inscrever. Fonte: Associated Press.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags