PUBLICIDADE
Mundo
NOTÍCIA

Veja o momento em que explosão em Beirute atinge hospital

A unidade de saúde está localizada a cerca de dois quilômetros do epicentro da explosão

13:41 | 13/08/2020

 

A grande explosão que ocorreu no último dia 4 na região portuária de Beirute, no Líbano, gerou destruição em larga escala. Prédios que estavam a quilômetros de distância do porto da cidade sentiram o impacto causado pela explosão. As câmeras de segurança do hospital St George's University Medical Centre registraram o momento em que o edifício foi atingido. As imagens mostram janelas e portas sendo quebradas, pacientes e funcionários correndo e a estrutura física da unidade de saúde sendo danificada. Quatro enfermeiros morreram.

LEIA MAIS - Explosão no porto de Beirute: acidentes desse porte podem acontecer no Ceará?

De acordo com números oficiais do governo, ao menos 171 pessoas morreram devido à explosão, mas estimativas da Agência da Onu para Refugiados (Acnur) apontam que o total de vítimas pode chegar a mais de 200. Mais de 6 mil pessoas ficaram feridas. O Hospital St. George fica a cerca de apenas dois quilômetros do epicentro da explosão. Mais três unidades de saúde ficaram destruídas. Entretanto, a Organização Mundial da Saúde (OMS) prevê que mais da metade dos hospitais de Beirute está sem condições de atender pacientes. A situação é agravada pelo cenário de pandemia do novo coronavírus.

LEIA MAIS - Manifestantes voltam às ruas de Beirute e pedem mais mudanças e queda do Governo

A explosão foi tão intensa que criou uma cratera de 43 metros de profundidade. Segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês), a força equivale a de um terremoto de magnitude 3,3. O incidente provocou a reativação de protestos contra a classe política do Líbano, país que enfrenta grave crise econômica. O primeiro-ministro Hassan Diab pediu renúncia do seu cargo menos de um ano após seu antecessor, Saad Hariri, também sair em decorrência de manifestações.

Com informações do portal G1

Os vídeos são dos jornais The Telegraph e The Guardian 


TAGS