PUBLICIDADE
Mundo
NOTÍCIA

Rei da Bélgica expressa pela primeira vez "pesar" pelo passado colonial no Congo

No texto, o monarca evoca a época do rei Leopoldo II. mas sem citar o nome do soberano, cuja gestão do Congo Belga é considerada brutal

08:10 | 30/06/2020
Filipe da Bélgica, monarca do país (Foto: HECTOR RETAMAL / AFP)
Filipe da Bélgica, monarca do país (Foto: HECTOR RETAMAL / AFP)

O rei Philippe expressou nesta terça-feira, 30, pela primeira vez na história da Bélgica seu "mais profundo pesar pelas feridas" infligidas durante o período colonial no Congo, em uma carta dirigida ao presidente da atual República Democrática do Congo (RDC)."Eu quero expressar meus mais profundo pesar por estas feridas do passado, cuja dor é revivida hoje pela discriminação ainda presente em nossas sociedades", afirma o rei belga na carta enviada ao presidente da RDC, Felix Tshisekedi, por ocasião do 60º aniversário da independência do país.

No texto, o monarca evoca a época do rei Leopoldo II. mas sem citar o nome do soberano, cuja gestão do Congo Belga é considerada brutal. "Na época do Estado Livre do Congo (a partir de 1885, quando o território africano era propriedade do ex-rei Leopoldo II) foram cometidos atos de violência e crueldade que ainda pesam sobre nossa memória coletiva", escreveu Philippe, que reina desde 2013.

O soberano também reconhece que neste território, sob controle da Bélgica entre 1908 a 1960), aconteceram "sofrimentos e humilhações".O Congo Belga conquistou a independência em 30 de junho de 1960 e passou a ser chamado República Democrática do Congo.

Em pleno movimento mundial contra o racismo iniciado após a morte de George Floyd nos Estados Unidos, que na Bélgica provocou críticas ao passado colonial do país, o rei Philippe ressalta na carta seu compromisso de "combater todas as formas de racismo"."Encorajo a reflexão iniciada por nosso Parlamento para que nossa memória seja definitivamente pacificada", afirmou, em referência a um acordo de princípio entre grupos políticos para criar uma comissão parlamentar sobre a memória colonial.