Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Trump insulta democratas após derrota na Câmara

07:57 | Out. 17, 2019
Autor -
Foto do autor
- Autor
Tipo Notícia

Era para ser uma simples reunião sobre a crise na Síria, mas o encontro desta quarta-feira, 16, entre os líderes democratas e o presidente Donald Trump, na Casa Branca, mal começou e já tinha terminado. Segundo o senador democrata Chuck Schumer, Trump teve um "surto" e ofendeu a presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi.
O súbito mau humor do presidente se explica, segundo os democratas, pela derrota devastadora do governo no plenário da Câmara, horas antes, quando Pelosi conseguiu aprovar uma resolução condenando a retirada das tropas americanas da Síria, abrindo caminho para a ofensiva turca contra os curdos, que até então eram aliados dos EUA.
Por 354 votos a 60, a resolução foi aprovada - com o apoio de 129 deputados republicanos. Embora sem consequências práticas, a votação é uma derrota simbólica que mostra que a maioria dos congressistas condena a decisão de Trump de retirar as tropas da Síria.
O presidente se irritou com a medida. De acordo com Schumer, Trump chamou Pelosi de "política de terceira categoria". "Foi um insulto à presidente da Câmara dos Deputados. Um desrespeito", disse o senador. "Ele disse que havia comunistas entre os membros do Estado Islâmico e sugeriu que nós estaríamos achando bom. Não foi um diálogo, foi um insulto."
Pelosi também definiu o episódio como um "surto" do presidente. Segundo a democrata, logo após os ataques verbais de Trump, os líderes - Pelosi, Schumer e o senador Steny Hoyer - abandonaram a reunião.
"Acho que o tamanho da derrota (horas antes, na Câmara), com dois terços dos republicanos votando contra ele, o afetou", disse Pelosi. "Ele estava bastante alterado. E foi por isso que interrompemos o encontro. Ele não estava conectado à realidade da situação."
Mais cedo, após reunião com o presidente italiano, Sergio Matarella, na Casa Branca, Trump adotou outra estratégia para defender sua decisão de retirar as tropas da Síria: atacar os curdos - que ajudaram os EUA a derrotarem o Estado Islâmico. O presidente declarou que os curdos "não são santos" e provavelmente são uma "ameaça terrorista maior que o Estado Islâmico".
"Nós não temos nada com isso", disse o presidente, sobre a guerra síria. "Se a Turquia invade a Síria, isto é um problema entre a Turquia e a Síria. Não é nossa terra." A posição de Trump tem provocado críticas dentro do próprio partido, que teme os efeitos geopolíticos de uma incursão turca na Síria e do recuo dos EUA, que favorece o avanço dos interesses da Rússia e do Irã no Oriente Médio.
Por isso, ele tem tentado se livrar das acusações de ter permitido a ofensiva turca. "Eu não dei sinal verde para o ataque (turco). Foi o oposto disso", disse Trump. Nesta quinta-feira, 17, o vice-presidente, Mike Pence, e o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, se reúnem com o presidente Recep Tayyip Erdogan em Ancara. Em princípio, o líder turco havia esnobado a delegação americana, mas depois aceitou se reunir com os enviados de Trump. Erdogan, porém, já disse que não haverá cessar-fogo e garantiu que não se importa com as sanções anunciadas em Washington. (Com agências internacionais).
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

83% dos condados dos EUA registram transmissão alta ou substancial de coronavírus

INTERNACIONAL
13:13 | Ago. 05, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Os Estados Unidos registram transmissão "substancial ou alta" do coronavírus em ao menos 83% dos condados do país, segundo alertou nesta quinta-feira, durante coletiva de imprensa, a diretora do Centro de Controle de Doenças (CDC, na sigla em inglês), Rochelle Walensky. Segundo ela, o recrudescimento da pandemia de covid-19 na maior parte das subdivisões dos Estados americanos se dá pela acelerada propagação da variante delta do vírus.
Coordenador da resposta da Casa Branca à crise sanitária nos EUA, Jeffrey Zients também destacou o impacto da cepa no nível de infecções locais registradas recentemente, ressaltando que mais da metade dos casos de covid-19 no país nos últimos sete dias ocorreram nos sete Estados com as menores taxas de vacinação. Somente Flórida e Texas foram responsáveis por um terço das infecções, relatou Zients.
De acordo com Walensky, a média diária de casos da doença na última semana é de 89.463, número 43,3% maior que a média dos sete dias anteriores.
Já as hospitalizações subiram 41,1% na mesma base comparativa, a 7.348, e as mortes por covid-19 aumentaram 39,3% no período, a 381 por dia.
A única forma de frear esta tendência de alta, segundo Zients, é vacinando a população. Segundo ele, nas últimas 24 horas, 864 mil doses dos imunizantes foram aplicadas nos EUA, maior registro de doses aplicadas em um dia desde 1º de julho.
Ainda sobre vacinação, Anthony Fauci, infectologista e principal consultor médico da Casa Branca, disse que o governo norte-americano está trabalhando para aplicar doses de reforço em pessoas com sistemas imunológicos comprometidos.
Segundo Walensky, o CDC ainda está avaliando uma eventual decisão sobre as doses de reforço.
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Diretor do Fed não vê necessidade de adoção de moeda digital por BC no momento

ECONOMIA
12:47 | Ago. 05, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Diretor do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Christopher Waller afirmou nesta quinta-feira que autoridade monetária não precisa adotar uma moeda digital de banco central (CBDC, na sigla em inglês), mas sim aplicar regulações, pois o sistema financeiro nos Estados Unidos já funciona muito bem.
"A maior preocupação com a adoção de CBDC é ser alvo de ataques cibernéticos. Francamente, tenho dificuldades para ver os seus benefícios", afirmou Waller.
Ele fez os comentários em evento realizado pelo American Enterprise Institute.
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA caem 14 mil na semana, a 385 mil

ECONOMIA
09:55 | Ago. 05, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O número de pedidos de auxílio-desemprego nos Estados Unidos teve queda de 14 mil na semana encerrada em 31 de julho, a 385 mil, segundo dados com ajustes sazonais publicados nesta quinta-feira (5) pelo Departamento do Trabalho americano. O resultado da semana passada veio em linha com a expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal. O total da semana anterior foi revisado para baixo, de 400 mil para 399 mil pedidos. O número de pedidos continuados, por sua vez, apresentou recuo de 366 mil na semana encerrada em 24 de julho, a 2,930 milhões. Esse indicador é divulgado com uma semana de atraso.
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Déficit comercial dos EUA sobe a US$ 75,7 bilhões em junho

ECONOMIA
09:55 | Ago. 05, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O déficit comercial dos Estados Unidos avançou de US$ 71,0 bilhões em maio (dado revisado nesta quinta-feira, 5, de US$ 71,24 bilhões antes calculados) a US$ 75,7 bilhões em junho, informou o Departamento do Comércio. Analistas ouvidos pelo Wall Street Journal previam US$ 74,2 bilhões. O relatório sobre o dado informa que as exportações dos EUA ficaram em US$ 207,7 bilhões em junho, alta mensal de 0,6%. Já as importações cresceram 2,1%, a US$ 283,4 bilhões. O documento ressalta que a pandemia global de coronavírus e o quadro de recuperação continuavam a afetar o comércio internacional em junho. Com informações da Dow Jones Newswires.
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Biden fixará meta de que 50% dos veículos vendidos em 2030 no EUA sejam elétricos

INTERNACIONAL
09:20 | Ago. 05, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, assinará nesta quinta-feira, 5, um decreto executivo que definirá a meta de que metade dos veículos vendidos no país em 2030 sejam elétricos. A informação foi confirmada em comunicado divulgado pelo governo americano nesta quinta. Segundo a nota, a norma estabelecerá o desenvolvimento de padrões de emissões e eficiência de combustíveis para "economizar dinheiro dos consumidores, reduzir a poluição, melhorar a saúde pública, promover a justiça ambiental e enfrentar a crise climática". Hoje à tarde, Biden receberá na Casa Branca representantes das montadoras Ford, General Motors e Stellantis, além do sindicato United Auto Workers, para anunciar a nova meta.
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags