PUBLICIDADE
Mundo
NOTÍCIA

Macron diz que G7 precisa discutir incêndios na Amazônia

00:04 | 24/08/2019
Presidente da França classifica queimadas de crise internacional e pede que tema entre na agenda da cúpula do G7. Em resposta, Bolsonaro diz que Macron evoca mentalidade colonialista.O presidente da França, Emmanuel Macron, afirmou nesta quinta-feira (22/08) que os incêndios na Amazônia devem fazer parte da agenda da cúpula do G7, que ocorre no fim de semana em Biarritz, no sudoeste francês. "Nossa casa está queimando, literalmente. A Amazônia – o pulmão do planeta que produz 20% do nosso oxigênio – arde em chamas. Essa é uma crise internacional. Membros do G7, vamos discutir em primeira ordem essa emergência", escreveu Macron em sua conta no Twitter. Junto com a mensagem, o presidente publicou uma foto para ilustrar o incêndio na Amazônia, que segundo a Folha de S.Paulo é antiga, e a hashtag #ActForTheAmazon (Agir pela Amazônia). Macron recebe no sábado os líderes dos países do G7 – Alemanha, França, Itália, Canadá, Estados Unidos, Japão e Reino Unido – em Biarritz para seu encontro anual. Entre os temas da cúpula estavam o retorno da Rússia ao grupo e a saída do Reino Unido da União Europeia (UE). Diante do avanço das queimadas na Amazônia, o anfitrião fez um apelo ao grupo para que o tema também seja tratado no encontro. Em resposta a Macron, Bolsonaro acusou seu homólogo francês de "instrumentalizar uma questão interna" do Brasil para "ganhos políticos" e criticou o suposto sensacionalismo feito sobre a situação. "O tom sensacionalista com que se refere à Amazônia (apelando até para fotos falsas) não contribui em nada para a solução do problema", escreveu Bolsonaro em sua conta no Twitter. O presidente disse ainda que o Brasil está aberto ao diálogo que seja baseado no respeito e em dados. "A sugestão do presidente francês, de que assuntos amazônicos sejam discutidos no G7 sem a participação dos países da região, evoca mentalidade colonialista descabida no século 21", acrescentou. As chamas destroem parte da floresta no Brasil e na Bolívia há duas semanas. Nos últimos dias, a fumaça dos incêndios florestais chegou até o Peru e a cidade de São Paulo. Ainda não há dados oficiais sobre a dimensão do estrago causado pelos incêndios. Estima-se, porém, que milhares de hectares estejam sendo consumidos pelo fogo nos estados de Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), os focos de fogo em todo o país neste ano superam em 83% a quantidade registrada no mesmo período em 2018. O presidente Jair Bolsonaro culpou a seca pela tragédia e, sem qualquer prova, chegou a acusar ONGs ambientalistas de estarem por trás das queimadas para supostamente prejudicar seu governo. O descaso do governo brasileiro com o meio ambiente tem sido alvo de críticas da comunidade internacional. As imagens dos incêndios que já atingiram vários estados brasileiros, no entanto, dispararam um alerta mundial nesta semana e repercutiram em massa nas redes sociais, com intensa pressão para que as autoridades trabalhem para solucionar o problema. Como parte dessa mobilização, circula nas redes a convocação para um protesto na sexta-feira, em frente a embaixadas do Brasil em vários países do mundo. Nesta quinta-feira, o secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou que está profundamente preocupado com a situação. "Em meio à crise climática global, não podemos permitir mais danos à maior fonte de oxigênio e biodiversidade do planeta. A Amazônia precisa ser protegida", disse. CN/afp/efe ______________ A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter
TAGS