Participamos do

Após mensagens vazadas e onda de protestos, governador de Porto Rico anuncia renúncia

Rosselló deixa o cargo no dia 2 de agosto; a secretária de Justiça, Wanda Vázquez, assumirá o posto
09:53 | Jul. 25, 2019
Autor O POVO
Foto do autor
O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Após quase duas semanas de protestos em massa, o governador de Porto Rico, Ricardo Rosselló, anunciou na noite dessa quarta-feira, 24, que renunciará ao cargo no dia 2 de agosto. O político está no centro de um escândalo desencadeado pelo vazamento de conversas entre ele e alguns de seus assessores.

Nessa quarta, uma multidão de milhares de pessoas reunidas diante da mansão do governador na capital San Juan comemorou o anúncio feito em vídeo por Roselló. Após 10 minutos em discursos exaltando seus projetos e iniciativas no cargo, Ricky, como é conhecido, declarou: "Na sexta-feira, 2 de agosto, às 5 da tarde, eu completarei meu mandato e iniciarei o processo de sucessão estabelecido por nossa Constituição".

A decisão, segundo o político, teria vindo "depois de escutar as reivindicações", falar com a sua família, pensar nos filhos e em oração. Em várias partes da cidade, os cidadãos foram até as janelas e fizeram um "panelaço".

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

O governador disse esperar que sua renúncia sirva de "apelo à reconciliação dos cidadãos" e está convencido de que deixa o cargo desejando "a paz e o progresso do país". A secretária de Justiça, Wanda Vázquez, assumirá o cargo ocupado por Rosselló por dois anos e meio.

O político de 40 anos, filho de um ex-governador, tornou-se o primeiro chefe do Executivo a renunciar na história moderna de Porto Rico, território dos EUA onde vivem mais de 3 milhões de cidadãos americanos.

No domingo, 21, Roselló já havia anunciado sua renúncia à presidência do Partido Novo Progressista (PNP) e que não será candidato à reeleição em 2020. 

O vazamento

Em 13 de julho, dias depois de uma investigação da Polícia Federal dos Estados Unidos ter prendido duas ex-secretárias do governo porto-riquenho envolvidas em um esquema que desviou 15,5 milhões de dólares, o Centro de Jornalismo Investigativo de Porto Rico divulgou 889 páginas de conversas entre Rosselló e seu círculo político próximo.

Nas mensagens vazadas, trocadas no aplicativo Telegram, o governador e outros 11 membros de sua equipe usam linguagem obscena para debochar de jornalistas, mulheres, políticos, artistas, pessoas LGBT e vítimas do furacão Maria, que atingiu a ilha há quase dois anos.

As mensagens com termos preconceituosos enfureceram porto-riquenhos já frustrados com a corrupção, a má gestão, a crise econômica e a lenta recuperação do país após o furacão. No início desta semana, dezenas de milhares de pessoas reuniram-se em mais um protesto na capital, para exigir a demissão do governador da ilha caribenha. O cantor Ricky Martin, que é porto-riquenho, se juntou aos protestos e pediu a renúncia de Rosselló por meio das redes sociais.

Porto Rico

Antiga colônia espanhola, o território foi anexado aos Estados Unidos após a Guerra Hispano-Americana de 1898. Sua população majoritariamente falante do espanhol tem a cidadania americana desde 2017, mas não tem o direito de votar para presidente - a menos que residam no continente.

Os porto-riquenhos são representados no Congresso por apenas um comissário consultivo, sem voto. E Washington tem a última palavra em assuntos de seus territórios.

Com informações da Agência Brasil

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags